Esportes

Rússia dá primeira passo para recorrer da exclusão do esporte mundial

A Agência Russa Antidoping (Rusada) anunciou nesta quinta-feira sua intenção de recorrer da exclusão da Rússia das competições esportivas por manipulação de dados, uma punição chamada de “injusta” pelo presidente Vladimir Putin.

Formalmente, o Conselho de Vigilância da Rusada emitiu uma recomendação para recorrer destas medidas, que será apresentada a sua assembleia geral até o fim do mês. Em seguida, será repassada à Agência Mundial Antidoping (Wada) para que a entidade a transmita ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS).

“Decidimos não acatar a decisão da Wada”, informou o presidente do Conselho de Vigilância da Rusada, Alexander Ivlev. “Acreditamos que nossos argumentos são suficientemente fortes, mas não darei um prognóstico” sobre as chances da Rússia no TAS, completou.

A Rússia se viu proibida pela Wada de participar nos próximos quatro anos dos principais eventos internacionais, especialmente os Jogos Olímpicos de 2020 e 2022 e a Copa do Mundo do Catar-2022 de futebol. O país é acusado de ter manipulado os dados de amostras antidoping enviadas à Wada.

A exclusão da Rússia estabelece que somente atletas russos selecionados poderão competir, mas sob bandeira neutra e sem poder ouvir o hino nacional em caso de medalha.


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

Questionado nesta quinta-feira sobre o tema, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou que seu país deveria poder participar em competições esportivas sob as cores da bandeira nacional, já que a Wada não tinha “nenhuma acusação concreta” contra o Comitê Olímpico russo, somente contra a Rusada.

O mandatário denunciou sanções “injustas”, ilegais” e “desprovidas de bom senso” contra a Rússia.

– Política de prestígio –

A dureza das sanções se deve ao fato da Wada considerar que a Rússia “manipulou” os dados do laboratório antidoping de Moscou, escrevendo uma nova página no escândalo que começou com a revelação em 2015 de um esquema de doping estatal praticado desde 2011 e que envolvia altos dirigentes, agentes secretos e amostras de urina adulteradas.

Indo contra o governo russo e o Conselho de Vigilância, o diretor da Rusada, Yuri Ganus, colocou a culpa pelos escândalos nas autoridades russas e pediu a Putin uma grande limpeza para acabar com os trapaceiros no esporte.

Na Rússia, o esporte segue sendo uma ferramenta política, já que Putin apostou na organização de grandes competições internacionais para aumentar o prestígio de seu país, sediando os Jogos Olímpicos de inverno em Sochi (2014), os Mundiais de atletismo (2013), de natação (2015) e de hóquei no gelo (2016) e a Copa do Mundo de futebol (2018).

Para os atletas, a exclusão da Rússia é vista como uma nova catástrofe. Muitos criticaram um rigor excessivo por parte da Wada, embora outros acreditam que a culpa é do governo russo, como a tricampeão do mundo no salto em altura Maria Lasitskene.

alf-tbm/pop/am

Veja também

+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Aprenda 5 molhos fáceis para aproveitar o macarrão estocado
+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Perlla mostra tatuagem ousada no bumbum
+ Conheça o Storm, um blindado híbrido de 8000 kg que atinge 140km/h e ainda pode andar na água
+ Fotos: Paolla Oliveira mostra seu sítio luxuoso na Serra do Rio de Janeiro
+ Motorhome com dois andares tem até elevador para o terraço
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica