Esportes

Rubro-negro agredido antes de jogo do Flamengo pela Libertadores contra o Peñarol morre no RJ

Crédito: Arquivo pessoal

O organizador de excursões Roberto Vieira de Almeida, de 54 anos, morreu nesta quarta-feira (19), após ficar internado 10 meses. O torcedor, que era capixaba, foi agredido durante uma confusão entre flamenguistas e torcedores do Peñarol, antes da partida entre as duas equipes pela Libertadores do último ano, na capital fluminense.

A informação da morte do torcedor foi confirmado por um familiar ao site Globo Esporte. A família até tentou transferir Roberto para Vitória, no Espírito Santo, onde o torcedor residia. Entretanto, o quadro grave de saúde e o aparato médico necessário impossibilitaram a transferência do Rio de Janeiro.

Roberto trabalhava com excursões para jogos do Flamengo e de outras equipes, na capital fluminense, há mais de 40 anos. No dia do jogo, ele e outros flamenguistas estavam na orla de Copacabana quando o confronto aconteceu, no último dia três de abril. Na confusão, o capixaba tentou separar a briga, mas foi seriamente atingido na cabeça com uma cadeira e caiu desacordado.

No hospital, Roberto entrou em coma devido a um traumatismo craniano. Desde então, o torcedor alternou bons e maus momentos após quase um ano internado.

Os agressores

Os três torcedores uruguaios acusados pela agressão, Dennis Oscar Viega González, Fernando Segundo Carreno Tucce e Gianfranco Steffano Cattapan Flores, que foram presos na época permanecem no Brasil. Porém, eles deixaram a detenção ainda em 2019 e devem aguardar no País até o encerramento do processo.

Flamengo

Nas suas redes sociais, o clube carioca lamentou a morte do torcedor e se solidarizou com os familiares.