Cultura

Roteirista de ‘Os Simpsons’ nega que série tenha previsto coronavírus

Não é de hoje que Os Simpsons são alvos de especulações sobre previsões. Desta vez, o tema é o novo coronavírus. “A ideia de que alguém se aproprie dela (história) para fazer com que o coronavírus pareça uma trama asiática é nojento. Não gosto que seja usado para fins nefastos”, declarou o co-roteirista Bill Oakley, em entrevista ao The Hollywood Repórter.

Internautas de todo o mundo estão comparando a pandemia de covid-19 com um episódio da 4ª temporada, Marge in Chains, lançado em 1993.

Nele a cidade onde vivem os personagens, Springfield, é atingida pela Osaka Flu, ou Gripe de Osaka, que seria transmitida em caixas com sucos comprados de uma empresa japonesa pelos moradores. O paralelo, entretanto, tem ignorado o fato de a cidade de Osaka ficar no Japão, e não na China, onde o surto de coronavírus começou.

Oakley conta que lembra de epidemia de gripe nos anos 1960, originária da Ásia, e que isso pode ter inspirado no momento de escrever o episódio. “Acredito que o mais antecedente (à gripe de Osaka) foi a gripe de Hong Kong de 68. Era apenas uma brincadeira rápida sobre como a gripe chegou aqui”, disse. “Era absurdo que alguém pudesse tossir dentro da caixa e o vírus sobrevivesse por oito semanas na caixa. É um desenho animado.”

Ele reconhece que alguns casos de Os Simpsons podem ter “previsto o futuro”, mas ressaltou: “É apenas uma coincidência, porque os episódios são tão antigos que a história se repete. A maioria desses episódios é baseada em coisas que aconteceram nos anos 60, 70 ou 80”. A série está em sua 31ª temporada.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.