Rosana Martinelli (PL-MT) assumiu interinamente uma vaga no Senado, na quarta-feira, 12. Ela é a segunda suplente do senador Wellington Fagundes (PL-MT), que precisou se licenciar do cargo por 120 dias para tratamento de saúde. Ela é uma das investigadas por suspeita de envolvimento nos atos golpistas do dia 8 de janeiro de 2023, quando bolsanaristas invadiram e depredaram as sedes dos Três Poderes.

+ Investigada pelo 8/1, Rosana Martinelli toma posse no Senado e reclama que passaporte está apreendido

Em seu discurso de posse, Martinelli criticou a condução do processo sobre os atos golpistas e afirmou que teve suas contas bancárias suspensas por meses e o passaporte retido pela Polícia Federal.

Quem é Rosana Martinelli?

A bolsonarista Rosana Martinelli foi eleita para assumir a Prefeitura de Sinop (MT), em 2016. Antes disso, ela atuou como vice-prefeita da cidade e secretária de Indústria e Comércio local.

Nas eleições de 2022, ela conquistou o cargo de suplente do deputado Wellington Fagundes. Ela é investigada por suposta participação nos bloqueios de estradas e fechamentos de comércios após Jair Bolsonaro perder o pleito de 2022.

Vídeos mostram Rosana encorajando que a paralisação deveria durar até que “provas” que as urnas eletrônicas teriam sido fraudadas fossem “apuradas e acatadas”. Essas supostas irregularidades já foram desmentidas por diversos órgãos de auditoria.

Depois, Martinelli afirmou que “sempre apoiou manifestações pacíficas e ordeiras”, mas não o bloqueio de estradas.