Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

Rogério Ceni entende que um de seus méritos no comando do São Paulo foi ter tornado o time vibrante, intenso e com “pegada”. O treinador gostou da postura de seus comandados na vitória por 2 a 1 sobre o Corinthians que classificou a equipe à final do Campeonato Paulista. Para o treinador, o talento é importante, claro, mas a entrega e empenho de seus atletas são ainda mais necessários para que o trabalho seja bem-sucedido.

“Eu não sei viver de outra maneira. Eu, mesmo naqueles times campeões do São Paulo, eram equipes que jogavam com essa vibração, essa pegada. Eu não consigo ver o futebol de maneira diferente”, afirmou o treinador, antes de dar o exemplo do Flamengo com o qual foi campeão brasileiro.

“Um time talentoso ajuda muito. Você vê o Flamengo campeão brasileiro, era talentoso. Mas o talento não faz com que você abra mão do comprometimento diário, da parte física, tática. O talento é um bônus que ajuda muito a vencer, mas ele não precede o esforço e o trabalho diário. Não se abre mão do esforço em prol do talento”, considera.

A pujança e os outros atributos do São Paulo não fazem, no entanto, o treinador considerar sua equipe favorita na decisão do Campeonato Paulista. Ceni jogou o favoritismo para o Palmeiras, atual bicampeão continental e que tem um trabalho já consolidado de seu técnico, o português Abel Ferreira.

“Vamos tentar competir como sempre fizemos. Chegamos até aqui e vamos brigar com todas as forças. Em campo nos resta competir com uma equipe que acabou de chegar do Mundial. Nada mais do que o normal ser considerada favorita”, opinou Ceni, segundo o qual o Palmeiras tem um “repertório bem variado” e capacidade de adaptação ao adversário.

“É uma equipe formada com vários jogadores, no mínimo dois por posição. Só tenho elogios a fazer. É uma equipe mais reativa, mas quando necessita jogar tem Raphael Veiga e Scarpa. Não vou contar nem os homens de frente, Dudu e Rony”.

Palmeiras e São Paulo começam a decidir o título estadual quarta-feira, às 21h35, no Morumbi. Existe uma divergência quanto à data da segunda partida, que definirá o campeão.

O Palmeiras quer que o segundo jogo da decisão seja no sábado para que haja tempo hábil de jogar no Allianz Parque. Cabe explicar: o estádio receberá o show da banda Maroon 5 terça-feira, dia 5. Portanto, caso o duelo seja no dia 2 e não 3, um antes do previsto, é possível realizar a partida e, depois, montar a estrutura para o show na arena palmeirense.

O São Paulo não abre mão de jogar no domingo. A Federação Paulista de Futebol (FPF) divulga as datas, horários e locais das finais nesta segunda-feira. “Espero que a Federação Paulista cumpra o que foi estipulado de datas”, avisou Ceni, que crê em desequilíbrio entre as equipes caso a finalíssima seja antecipada. “Se não cumprir o regulamento, e o jogo for domingo, o Palmeiras estará mais descansado”.

A final do Paulistão voltará a ter público nos estádios após dois anos. A pandemia de covid-19 afastou os torcedores das arquibancadas nas decisões de 2020 e 2021. O Palmeiras jogará a sua terceira final seguida do torneio e o São Paulo, o atual campeão, a segunda.