Com a lesão de Neymar, o atacante Rodrygo, do Real Madrid, tornou-se responsável por vestir a camisa 10 da seleção brasileira, que já foi de Pelé, Zico, Rivaldo e muitos outros craques. Em coletiva de imprensa neste sábado, o jogador admitiu estar honrado por carregar o simbólico número em uma competição importante como a Copa América.

“É uma honra estar vestindo a camisa mais pesada da história do futebol. Sei que é uma responsabilidade muito grande e assumo. Sei que cada dia eu tenho que estar melhor, os olhos do mundo inteiro vão estar me vendo com aquela camiseta. Estou me preparando para seguir fazendo coisas boas e corresponder”, afirmou Rodrygo, que passará a camisa caso Neymar retorne à seleção.

“Eu sempre tento deixar claro isso para ele, que por mais que eu esteja com a camisa 10 agora, a camisa é dele. Eu só estou substituindo ele por um momento. A gente está esperando ele de volta. Sempre que eu for falar do Neymar, eu vou falar com um sorriso no rosto, com um brilho nos olhos. É o meu ídolo, é o cara que eu mais gosto de assistir jogando futebol. Então a gente estava se falando, acho que ele deve ir no treino, ou vir aqui no hotel algum dia. Sem dúvidas vou pegar algumas dicas. Neymar é o melhor que a gente tem, então temos sempre que aprender com os melhores”, disse o atleta.

Rodrygo estreou na seleção em novembro de 2019. Ele entrou no segundo tempo na derrota para a Argentina, na Arábia Saudita. Desde então, ele coleciona 49 partidas com a camisa do Brasil, 17 gols e 8 assistências. Na visão do atacante, o título da Copa América pode fazer com que os torcedores vejam a equipe com “outros olhos”.

“Conquistar esse título é importante para essa geração que está no começo. Somos uma geração com jogadores de muita qualidade, só que acho que falta um título, falta a gente provar realmente a nossa qualidade. Estamos no lugar especial e continuar fazendo tudo que a gente está fazendo de bom, melhorar as coisas que ainda precisam ser ajustadas e aí tem tudo para a gente conquistar esse título”, afirmou Rodrygo, que colocou a Argentina como inspiração.

“Acho que é com o título. Não tem muito o que fazer. É ganhando. Acho que querendo ou não, no Brasil funciona dessa forma. Tem que ganhar para realmente provar algo e é o nosso objetivo. Também não vejo isso como uma coisa ruim, acho que é sempre importante ganhar. A gente sabe que ganhando uma Copa América a gente vai se aproximar muito do nosso torcedor. Usando de exemplo a Argentina também que ganhou a última Copa América e depois ganharam o Mundial. Então a gente pode pegar esse exemplo para tentar essa reaproximação com o torcedor ganhando esse título.”

O atacante revelou estar ansioso com a estreia do Brasil no torneio. “Agora está valendo de verdade. Agora bate aquela ansiedade de estreia. Um adversário que a gente sabe que vai ser difícil. Esses adversários sul-americanos sempre nos põem muita dificuldade. E já está todo mundo ansioso. Todo mundo queria que o jogo fosse hoje. Mas bom também que dá mais tempo para gente treinar, mais tempo para gente evoluir. Tá todo mundo muito ansioso. Vai ser um jogo muito difícil e a gente tá preparado.”

A seleção brasileira estreia na Copa América nesta segunda-feira, às 22h, horário de Brasília, diante da Costa Rica, em Los Angeles. No Grupo D, ainda estão Colômbia e Paraguai, que jogam no mesmo dia, em Houston.