Geral

RJ: ‘Voltaram e atiraram mais cinco vezes’, conta mulher que viu execução de militar

Crédito: Reprodução

Suboficial da Marinha foi morto a tiros (Crédito: Reprodução)


Uma testemunha da morte do suboficial da Marinha Fábio Rafael Lima da Costa, de 41 anos, contou ao jornal Extra detalhes da execução. A vítima foi morta a tiros na terça-feira (19) após reagir a um assalto, próximo à entrada do Túnel Rebouças, no Rio de Janeiro (RJ).

“Não deu para ouvir muito até os tiros começarem, quando o rapaz saiu da moto para reagir. No momento em que ele desceu, já vieram os primeiros disparos. Aí passaram uns 30 segundos, mais ou menos. Voltaram e atiraram mais umas cinco vezes, mesmo com ele já caído”, diz a testemunha, que mora em um prédio próximo do local do crime.

De acordo com a testemunhas, essa não é a primeira vez que há assaltos e tiros no local. “No viaduto volta e meia tem troca de tiro. E já assaltaram o meu prédio, então tenho muito medo de chegar tarde em casa e ser abordada por alguém”, afirmou ao Extra.

Conforme a Polícia Civil, a Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) está investigando o caso.

Relembre o caso

O suboficial da Marinha Fábio Rafael Lima da Costa, de 42 anos, foi morto a tiros por um assaltante, na terça-feira (19), no Rio de Janeiro (RJ). O militar estava em uma moto, chegou a ser socorrido em estado grave para o Hospital municipal Souza Aguiar, mas não resistiu aos ferimentos.

De acordo com a Polícia Militar, o major reformado da PM Ubiratan Santos Viana, de 60 anos, que passava pelo local também entrou em confronto com os ladrões. Ele foi ferido sem gravidade no braço esquerdo. Imagens do momento da execução do suboficial da Marinha foram divulgadas nas redes sociais.

No vídeo, é possível ver vários carros parados no trânsito enquanto um homem em pé atira na vítima deitada no chão. Conforme a polícia, três criminosos participaram da ação, divididos em duas motos. O suboficial teria reagido à abordagem dos assaltantes.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil. Até o momento, nenhum suspeito foi preso.