Geral

RJ: Mulher afirma ter sido chamada de ‘vagabunda’ antes de confusão no Leblon

Crédito: Reprodução/ Twitter

Desfile de biquíni termina em briga no Leblon (Crédito: Reprodução/ Twitter)

Uma das mulheres de biquíni envolvidas em uma briga na noite de sexta-feira (25), no Leblon, no Rio de Janeiro, comentou o caso nas redes sociais. De acordo com Scheila, ela foi chamada de “vagabunda” pela mulher que estava sentada em um bar e jogou uma garrafa de água nela.

Sheila e Priscilla estavam em um carro conversível de biquíni e desfilavam pelas ruas do bairro se beijando e dançando enquanto um homem guiava o veículo esportivo.

Quando o carro parou por conta do trânsito na rua Dias Ferreira, algumas pessoas que estavam em um restaurante filmavam a cena. Foi quando a arquiteta Aline Cristina Silva arremessou garrafas na direção do carro.

Logo em seguida, Sheila desceu do veículo e partiu para cima da responsável por jogar as garrafas com socos.

No entanto, segundo relato de Sheila divulgado em seu Instagram, o vídeo que repercutiu nas redes sociais flagrou apenas parte da confusão. Ela diz ter sido xingada de “vagabunda” por Aline antes.

“Quando passamos numa rua mais movimentada, escuto uma garota falar assim: ‘vagabunda’, olho para o lado, vejo ela com cara de deboche me mandar um beijo. Achei desnecessário, dei até risada, achei engraçado, pensei ‘será que ela quer vir até aqui, quer participar?’. E continuamos”, afirmou.

“O carro andou um pouquinho. Não satisfeita, ela taca uma garrafa d’água nas minhas costas, bem na hora que eu estava agachada (…) Tomei a garrafada nas costas, olhei diretamente para ela, porque eu já sabia que era ela, porque ela já tinha mexido comigo. Ela, com a maior cara de deboche, me manda outro beijo. Como eu não tenho sangue de barata, minha reação foi pular do carro”, explicou.

Ainda conforme Sheila, ela teria ficado furiosa quando quando Aline disse “vem”. “Apanhei, revidei. Tô certa? Eu acho que eu tô. Tenho certeza de que não mereço apanhar à toa. Tenho minha filha, não ensino violência a ela, mas ensino a se defender. Enfim, bati, bati, sim, ela não se esquivou, bati com força e foi um tapa bem dado”, afirmou.

Para a arquiteta, que estava no local com duas crianças e idosos, ela afirma ter se deparado com “cenas de atentado ao pudor”. “Estavam fazendo preliminares, parecendo um filme pornô bem ali na nossa frente, de camarote”, relatou Aline.

https://youtu.be/-PZ5u_ndP7c

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Mulher sobe de salto alto montanha de 4 mil metros

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago