Brasil

RJ: idosos são baleados em São Gonçalo após se perderem no trajeto para casa

Crédito: Divulgação PM

Carro baleado dos idosos no Rio de Janeiro (Crédito: Divulgação PM)

Ao se perderem no caminho de volta da casa de familiares, três idosos foram baleados na última terça-feira (11) em São Gonçalo, em Niterói.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Parentes relataram que o trio errou o trajeto e entrou na comunidade do Jóquei, quando o objetivo seria seguir em direção à Ponte Rio-Niterói, conforme apuração do G1.

Com isso, Tânia Gomes Moeda, de 70 anos, e Henrique Antônio Espíndola, de 78 anos, foram atingidos por tiro no bairro. A idosa foi alvejada no pescoço e Henrique na coxa direita.

O terceiro ocupante do veículo, João Carlos Moeda, de 78 anos, foi baleado no tórax.

Ambos foram socorridos, mas somente João Carlos permanece internado com o quadro estável.

O carro em que as vítimas estavam foram atingidos e teve uma das janelas estilhaçadas. A 75ª DP está investigando o episódio.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea