Geral

RJ: Gari denuncia condições precárias de trabalho e é punido com suspensão

Crédito: Reprodução

O gari Bruno Coelho de Lima, de 35 anos, foi suspenso do trabalho por 5 dias após divulgar um vídeo com críticas às condições de trabalho dos funcionários da Comlurb, do Rio de Janeiro, em meio à pandemia do novo coronavírus. As informações são do jornal Extra.

No vídeo, Bruno, que é vice-presidente da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) da gerência da empresa no Engenho de Dentro, criticou também o processo de flexibilização da prefeitura carioca. A gravação foi publicada no dia 15 de junho e denunciava a falta de luva, álcool gel e sabão no banheiro da empresa.

Segundo o gari, a Comlurb não criou um protocolo de ação durante a pandemia e não afastou funcionários com comorbidades e que são do grupo de risco da Covid-19. Ele criticou ainda a máscara de pano fornecida pela empresa e a necessidade de levar as roupas de trabalho para serem higienizadas em casa.

Garis – RJDenúncia feita pelo companheiro Bruno da Rosa, militante do Combate e membro da CIPA em sua gerência, sobre a carnificina contra os garis.

Posted by COMBATE – Classista e pela base on Monday, June 15, 2020

 

Comlurb diz que acusações são falsas

De acordo com a Comlurb, as acusações de Bruno são “falsas”. A empresa garante que “dispensou do trabalho milhares de empregados em situação de risco”, forneceu os equipamentos necessários à prevenção da doença e elaborou protocolos.

“Restam caracterizado ser voluntária a divulgação de informações equivocadas com objetivos de ofender os superiores hierárquicos, prejudicar a imagem e honra institucional da companhia, contrariando o Código de Ética da empresa e a consolidação das leis trabalhistas”, justificou a Comlurb no pedido de afastamento do gari. A punição contra o funcionário foi aplicada no dia 24.

Ainda segundo o jornal Extra, no dia 25 de junho, a Câmara de Vereadores do Rio enviou ofício ao presidente da Comlurb, Paulo Mangueira, manifestando preocupação com a notícia sobre a punição do gari.

O documento, assinado por 10 vereadores do município, considera “a suspensão de cinco dias injusta, uma vez que o conteúdo da fala no vídeo retrata um apelo legítimo de um membro da CIPA”. “Diante da gravidade dos fatos solicitamos que a direção da Comlurb retire a punição aplicada”, diz o texto.

Bruno voltou ao trabalho na segunda-feira e comentou nas redes sociais que não se intimida com a punição aplicada. De acordo com ele, colegas na gerência do Engenho Novo fizeram um abaixo-assinado contra a punição e ele vai procurar a Justiça do Trabalho. Procurada pelo jornal Extra, a Comlurb ainda não se manifestou.

Quem faz a comlurb são os trabalhadores. Somos nós que ralamos dia a dia e é a gente que sofre na pele.Se enganou quem…

Posted by Bruno Coelho de Lima on Monday, June 29, 2020

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Pandemia adia cirurgia e saúde de Schumacher piora
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Cantora Patricia Marx se assume lésbica aos 46 anos de idade
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior