Tecnologia & Meio ambiente

Risco de COVID-19 é 3,5 vezes maior em profissionais de saúde, diz estudo

Risco de COVID-19 é 3,5 vezes maior em profissionais de saúde, diz estudo

Profissionais de saúde atendem paciente com COVID-19, após procedimento de entubação em unidade de terapia intensiva do centro médico San Luís, em Soacha, Cundinamarca, Colômbia, em 24 de julho de 2020 - AFP

Profissionais de saúde tinham, em abril, quase 3,5 vezes mais riscos de se contagiar com a COVID-19 em comparação com o restante da população, segundo um estudo publicado nesta sexta-feira (31) que revela um risco ainda mais elevado para as minorias étnicas.

A pesquisa, publicada na revista científica The Lancet, analisou dados introduzidos pelos usuários em um aplicativo especial “Covid” para ‘smartphones’, entre 24 de março e 23 de abril no Reino Unido e nos Estados Unidos, comparando os riscos de contrair a doença entre profissionais de saúde em contato com doentes e o restante dos usuários.

O número de casos confirmados de COVID-19 era precisamente de 2.747 por 100.000 profissionais sanitários usuários do aplicativo contra 242 por 100.000 usuários da população em geral.

Levando em conta as diferenças de acesso aos testes entre o pessoal sanitário e o restante da população, os autores “consideram que os profissionais de saúde são 3,4 vezes mais suscetíveis de dar positivo para a COVID-19”.

O risco chega a ser cinco vezes mais alto para profissionais de saúde que se declaram integrantes “de minorias étnicas, negros ou asiáticos”, inclusive levando em conta os antecedentes médicos, informaram os autores.

+ Briga de vizinhos termina com personal trainer morta a facadas no interior de SP

“Nossos resultados confirmam as desigualdades frente à COVID. Os trabalhadores sanitários procedentes de minorias eram mais suscetíveis a trabalhar em entornos clínicos mais perigosos, com pacientes de COVID suspeitos ou confirmados, e tinham menos acesso a material de proteção adequado”, afirmou Erica Warner, da escola de medicina de Harvard/Hospital Geral de Massachusetts.

A desigualdade no acesso a máscaras, luvas, blusas e outros itens de proteção também é um fator de risco importante.

Os profissionais de saúde que usavam material “inadequado” tinham 1,3 vez mais riscos de contrair a COVID-19 do que os que afirmavam ter acesso a equipamentos satisfatórios, informaram os autores, que destacaram que o estudo foi feito durante uma época de escassez de equipamentos de proteção.

O estudo mostra, ainda, que um trabalhador de saúde em cada três pertencente a minorias não tinha acesso a equipamento adequado (ou precisava reutilizá-lo), contra um em cada 4 entre o restante dos profissionais.

Cerca de 2,6 milhões de usuários no Reino Unido e 182.408 nos Estados Unidos foram incluídos a princípio no estudo. Eliminando as pessoas que usaram o aplicativo em menos de 24 horas e as que testaram positivo imediatamente, participaram 2,1 milhões de pessoas, inclusive as 99.795 que se identificavam como profissionais de saúde com contato direto com pacientes.

Veja também

+ Avó de Michelle Bolsonaro morre após 1 mês internada com covid-19

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?