Geral

Rio tem 90% de UTIs para covid-19 ocupadas na rede pública

Crédito: Marcelo Chello

NA UTI Leitos e respiradores são insuficientes para todos e o pico da Covid-19 ainda nem aconteceu (Crédito: Marcelo Chello)

Os leitos de unidades de terapia intensiva reservados para pacientes com covid-19 na cidade do Rio de Janeiro tinham uma ocupação de 90% no fim da manhã de hoje (5), segundo a Secretaria Municipal de Saúde. Nos leitos de enfermaria, a ocupação é bem menor, de 54%.

Os percentuais levam em conta todo o Sistema Único de Saúde no município, o que também inclui hospitais estaduais e federais. Há um total de 1.792 pessoas internadas na cidade com suspeita de covid-19, sendo 698 em UTIs. A rede municipal atende a 682 pacientes internados, 217 deles em UTIs.

A Prefeitura do Rio de Janeiro iniciou nesta semana o afrouxamento das restrições às atividades econômicas, com um plano de retomada que tem seis fases, cada uma com 15 dias, e prevê a abertura de todos os setores somente em agosto.

A fase 1 da reabertura, em que a cidade se encontra no momento, requer que a ocupação dos leitos de UTI seja menor ou igual a 95% em uma média móvel de sete dias, entre outros critérios.

O município do Rio abriu 1.252 leitos para o tratamento da doença desde o início da pandemia. Destes, 242 são de UTI.

Desde o início da pandemia, o município já registrou 33.695 casos confirmados de covid-19, e 4.231 mortes. O número de pessoas que se recuperaram da doença é 27.781, e 1.683 casos são considerados ativos.

Veja também

+ Pronampe: pedidos ao Sicoob somam R$ 500 mi em 1 dia, 41% do limite
+ Leilão tem Camaro por R$ 72 mil e Versa por R$ 22 mil
+ Gafanhotos: Bahia enfrenta nuvem de insetos
+ A história da Rural e da picape F-75, avós dos SUVs brasileiros
+ 5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
+ Hackers brasileiros roubaram dados de clientes em 12 bancos
+ Jovem pede delivery e encontra dedo humano em esfirra
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior