Esportes

Revezamentos do atletismo dão show e garantem mais 2 ouros para o Brasil no Pan

O atletismo brasileiro conquistou três medalhas de ouro nesta sexta-feira nos Jogos Pan-Americanos e chegou a cinco no total. As equipes de revezamento 4×100 metros rasos, masculina e feminina, e Ederson Vilela, nos 10.000m, subiram no lugar mais alto do pódio. Antes, Darlan Romani, do arremesso de peso, e Alison dos Santos, dos 400m com barreiras, já haviam sido campeões em Lima.

“Fomos muito bem. Sabíamos que tínhamos condições de ganhar a medalha, mas não sabíamos qual cor seria. Então viemos correr pelo ouro e me entregaram o bastão em ótimas condições para fechar a prova”, afirmou Rosângela Santos, que correu junto com Vitória Rosa (prata horas antes nos 200m), Lorraine Martins e Andressa Morais.

A experiente velocista explicou que o segredo do time é ter um ótimo entrosamento, principalmente nas passagens do bastão. “Estamos trabalhando muito para encaixar as melhores pessoas nas melhores posições”, disse. “Eu só falei para elas: ‘Me entreguem o bastão na frente'”, brincou, rindo.

No masculino, o quarteto que foi recentemente campeão no Mundial de Revezamentos, formado por Paulo André, Derick Souza, Jorge Vides e Rodrigo Nascimento, também chegou com uma distância confortável na frente. “Entramos confiantes. O tempo não foi o melhor, mas saímos felizes com a medalha de ouro”, explicou Rodrigo.

O Brasil foi bem nas trocas de bastão e chegou à frente de Trinidad e Tobago e dos Estados Unidos. “Viemos aqui defender nosso título e conseguimos. O pessoal entregou para mim na frente e eu consegui fechar bem a prova. Podem esperar um bom resultado nosso para os Jogos Olímpicos de Tóquio”, apostou Paulo André.


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

Quem também subiu ao lugar mais alto do pódio foi Ederson Vilela, que fez uma boa prova nos 10.000 metros do atletismo, disparando na última volta para vencer com tranquilidade. “Só vi que iria conseguir a vitória faltando uns 80 metros, quando olhei para o telão e vi que o americano não me pegaria mais”, comemorou.

“Estou em um bom momento na carreira, mas as provas de fundo não tenho grandes resultados internacionais porque a concorrência é muito forte, com quenianos. Mas estou subindo degrau por degrau e espero ter meu nome reconhecido um dia”, continuou o atleta, que em outubro vai disputar uma maratona e pretende conseguir o índice olímpico para essa prova em 2020.

Veja também

+ Aprenda 5 molhos fáceis para aproveitar o macarrão estocado
+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Cataratas do Niágara congelam e as imagens são incríveis
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica

v