Geral

Caso Daniel: Réu diz que Edison Brittes olhou o celular antes de decidir matar jogador

Crédito: Reprodução/TV Globo

Eduardo Henrique da Silva, presente no assassinato do jogador Daniel Correa em outubro do ano passado, respondeu perguntas do Ministério Público, advogados e juíza na última quarta-feira (4), durante a audiência que apura o crime. As informações são do UOL.

O advogado de Eduardo Henrique, Edson Stadler, reafirmou a versão dada pelo cliente na delegacia.

“Ninguém tinha interesse de matar, tinha interesse de maltratar pela prática dele. Saíram com interesse, do [Edison] Brittes também, de fazer a castração do Daniel. O Brittes também só tinha a intenção de emasculação. Em dado momento é que o Brittes viu algo no celular e interrompeu a trajetória numa freada brusca. Ele desce do carro e corta a garganta do Daniel”, afirmou o advogado.

Edison Brittes, réu confesso, David Vollero e Ygor King ficaram calados, um direito assegurado por lei. Ministério Público e defesas devem se manifestar antes da juiz Luciani Martins de Paula dar o parecer sobre quais casos vão ou não a júri popular.