Republiqueta Conspirativa do Brasil

Crédito: José Manuel Diogo

(Crédito: José Manuel Diogo)


A coluna de hoje é sobre fatos e seus dois protagonistas. De um lado o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) representando a qualidade do sistema de voto eletrônico brasileiro; do outro o medo de perder, representado pelo ainda presidente Bolsonaro.

A maior campanha política da história das democracias modernas está em andamento aqui no Brasil. No meio da maior bagunça política de sempre Governistas e Oposicionistas — já nem tem direita nem esquerda — vão se arrumando na pista procurando o melhor lugar de largada. Esquece 2021, 2022 já é hoje.

As manifestações #EuAutorizoPresidente, a operação policial do Jacarezinho, a CPI da Covid, o fim da Lava Jato, a anulação do julgamento de Lula e muitas outras consecutivas (e cansativas) controvérsias (“como atrapalham o combate à pandemia”) são a grana na cueca em um país dividido que sempre prefere o confronto ao diálogo e se alimenta compulsivamente de si próprio como um autofágico urubu pelado se comendo sozinho, conspirando contra si próprio num canto quieto.

O posicionamento de Bolsonaro expressando que o Brasil é a “única republiqueta do mundo” que aceita o resultado de eleições realizadas com a “porcaria do voto eletrônico” — uma mentira — é apenas mais um destes fenómenos, mais ou menos exotéricos que apenas tem como efeito condenar o Brasil a continuar servindo de comodo pária ao seu maior competidor internacional que são os Estados Unidos.

Reclamar, “Vai ter voto impresso em 2022, nem vou falar mais nada, porque se não tiver voto impresso é sinal que não vai ter eleição” é mais uma teimosia estéril destinada a criar mais suspeição e mais uma divisão entre os brasileiros.

Nas Eleições Gerais de 2022, a urna eletrônica brasileira completará 26 anos. Esta tecnologia respeitada internacionalmente foi desenvolvida pelo TSE para garantir ainda mais segurança e transparência ao processo eleitoral – eliminando a intervenção humana dos procedimentos de apuração e totalização dos resultados – ao longo destas quase três décadas, a máquina informatizada de votar continua sendo símbolo de credibilidade e de democracia.

+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça

O voto eletrônico é utilizado para escolher governos e presidentes, de forma incontestada, desde 1991, nas republiquetas na Austrália, Bélgica, Estónia, Índia, Filipinas, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos e Venezuela.

Numa época em que inteligência artificial entrou no vocabulário corrente, em que o próprio dinheiro virou digital, reclamar contra a digitalização de alguma coisa é no mínimo anacrônico.

Depois, com a exceção da Venezuela não vejo como o Brasil rejeite se comparar a qualquer outra das mencionadas republiquetas. Não há saco!

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago



Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.