Economia

Representante comercial dos EUA elogia “notável” acordo com a China

Representante comercial dos EUA elogia “notável” acordo com a China

Robert Lighthizer, negociador americano de acordo comercial entre EUA e China - AFP/Arquivos

O acordo comercial entre Estados Unidos e China tem um alcance “notável”, mas não resolverá todos os problemas entre as duas maiores economias do mundo, disse neste domingo o principal negociador americano.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

“Não se trata somente de agricultura e outras compras”, afirmou o representante comercial dos Estados Unidos (USTR), Robert Lighthizer, em uma entrevista ao “Face the Nation” do canal CBS.

“A forma de pensar nesse acordo é que se trata de um primeiro passo para tentar integrar dois sistemas muito diferentes em benefício mútuo”, disse.

O chamado acordo de fase anunciado na sexta-feira inclui elementos relacionados com as proteções de propriedade intelectual, tecnologia, moeda e serviços financeiros.

Para Lighthizer, o acordo é, sobretudo, “aplicável”. Ele acrescenta que os 50 bilhões de dólares em compras adicionais de produtos agrícolas americanos por parte da China estão explicitamente citados no acordo.

Embora o acordo esteja sendo traduzido e ainda não tenha sido assinado, Lighthizer insistiu que “está totalmente feito”.

O negociador não indicou uma data precisa para a assinatura, mas disse que espera que isso aconteça em janeiro.

A China se comprometió a incrementar sus compras a fabricantes, agricultores, productores de energía y proveedores de servicios de Estados Unidos en al menos 200.000 millones de dólares durante los próximos dos años, según el USTR.

A China prometeu aumentar suas compras de fabricantes, agricultores, produtores de energia e prestadores de serviços nos Estados Unidos em pelo menos US$ 200 bilhões nos próximos dois anos, segundo o USTR.

As exportações dos Estados Unidos para a China dobrarão no próximo ano e quase triplicarão no ano seguinte se o acordo estiver em vigor.

Em 2017, antes do início da guerra comercial entre Washington e Pequim, os Estados Unidos exportaram cerca de 120 bilhões de dólares em mercadorias para a gigante asiática.

“No ano passado, o que este presidente conseguiu nessa área foi notável”, disse Lighthizer, também se referindo ao recém-concluído acordo comercial entre os Estados Unidos, México e Canadá e outros.

“Qualquer um desses acordos teria sido monstruoso. E o fato de os termos todos juntos é excelente para a agricultura”, afirmou.

No entanto, o acordo teve uma reação mista de especialistas em comércio, em parte porque alguns detalhes ainda não foram publicados.

Veja também

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea