Mundo

Repatriação de médicos cubanos: um golpe político e econômico para Havana

Repatriação de médicos cubanos: um golpe político e econômico para Havana

Com bandeiras nacionais e retratos do falecido líder Fidel Castro, médicos cubanos esperam a chegada de seus compatriotas da Bolívia, no aeroporto internacional José Martí em Havana, em 16 de novembro de 2019 - AFP/Arquivos

Do Brasil, de El Salvador, do Equador e da Bolívia, cerca de 9.000 médicos cubanos foram repatriados no último ano, após o cancelamento de seus contratos, uma decisão estimulada pelo governo Donald Trump e que significa um duro golpe para a economia da ilha.

Para Cuba, Washington promove uma campanha para desprestigiar um programa emblemático que data de 1963 e do qual mais de 400.000 pessoas participaram em 164 países.

“A cruzada dos Estados Unidos contra a cooperação médica internacional é um ato infame e criminoso”, tuitou o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, na quinta-feira.

Os Estados Unidos acusam Cuba de “explorar mão de obra escrava”, já que o Estado fica com a maior parte do dinheiro por esses serviços.

Já no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro, aliado de Trump, alega que o sistema foi aproveitado para infiltrar agentes de Inteligência.

– Ajuste na receita –

A reconfiguração política na América Latina – que, em grande medida, deu uma guinada para a direita – afetou o programa.

No caso de Bolívia e El Salvador, cujos governos até recentemente eram aliados da ilha, o envio de médicos era um serviço gratuito.

“Milhares de pacientes ficam desprovidos de serviços médicos”, lamentou a doutora Luisa García, ao chegar a Havana procedente de La Paz. Ela e seus colegas foram recebidos entre vivas, como heróis, no aeroporto.

Veja também

+ Jeep Compass 2021 é lançado na Europa com motor 1.3 turbo; veja todas as novidades
+ Especialistas desvendam 6 mitos comuns sobre a cerveja
+ Jacquin ensina a preparar menu para o Dia dos Namorados
+ Estudo de DNA revela novos segredos dos Manuscritos do Mar Morto
+ Fiat Fiorino 2021 tem mudanças e chega por R$ 68 mil
+ Produção industrial tem em abril maior queda em 18 anos: -18,8%

No Equador, porém, os 382 profissionais, cujos contratos foram cancelados, eram pagos pelo governo local, assim como os 8.000 médicos que deixaram o Brasil, após a eleição de Bolsonaro no final de 2018.

A magnitude destes golpes financeiros não foi incluída nas estatísticas oficiais, que registram 6,398 bilhões de dólares em 2018 por serviços de saúde no exterior. Com essa receita, o Estado cubano financia seu sistema público de saúde.

“Os serviços médicos continuam sendo a principal fonte de receita externa para a economia, e são contratos de difícil relocalização, porque depende de acordo com os governos, muito sensíveis aos ciclos políticos”, explica o economista Pavel Vidal, da Universidade Javeriana da Colômbia.

Mesmo neste cenário, Michael Cabrera, subdiretor da Unidade Central de Cooperação Médica, órgão estatal que supervisiona o envio de médicos para o exterior, é otimista.

“Sabíamos que não continuaríamos no Brasil e já fizemos os planos (de 2019) em função dessa realidade (…) Estamos dentro do planejado, com a exceção do Brasil, que significava um [alto] percentual em todas as operações”, disse ele à AFP.

Em 2018, mais de 34.000 profissionais de Saúde cubanos trabalhavam em 66 países. Historicamente, “mais de 95%” voltaram e, desde 2016, “99%” retornam, relatou Cabrera.