Mundo

Relatório da OEA sobre eleições na Bolívia indica ‘manipulação dolosa’

Relatório da OEA sobre eleições na Bolívia indica ‘manipulação dolosa’

Congresso da Bolívia em La Paz em sessão para regulamentar a convocação de novas eleições. - AFP

Os especialistas que elaboram o relatório final da Organização de Estados Americanos (OEA) sobre as eleições presidenciais de 20 de outubro na Bolívia detectaram que houve “manipulação dolosa” e destacaram a impossibilidade de validar os resultados.

“A equipe auditora detectou uma manipulação dolosa das eleições”, sentenciaram os especialistas em seu relatório, formulado após denúncias de irregularidade no processo que reelegeu o presidente Evo Morales, obrigado a renunciar em 10 de novembro, em meio à pressão popular.

Morales, que abandonou o poder após perder o apoio dos militares e da polícia, foi substituído três dias depois pela senadora Jeanine Áñez.

Após as eleições de 20 de outubro, a oposição denunciou “fraude” diante de uma paralisação de mais de 20 horas na apuração que mudou a tendência e iniciou uma onda de protestos e confrontos que deixaram 33 mortos e centenas de feridos.

De acordo com os resultados finais divulgados na sexta-feira, 25 de outubro, Morales foi declarado vencedor com 47,08% dos votos, contra 36,51% para o adversário Carlos Mesa. Conforme o sistema eleitoral boliviano, ele foi declarado eleito para um novo mandato sem a necessidade de segundo turno.

Em seguida, a auditoria preliminar da OEA constatou “irregularidades” indicando que o melhor seria a realização de uma nova votação.

No relatório final, os especialistas apontam que a margem de vitória no primeiro turno é “mínima se comparada ao volume de manipulações e alterações detectadas”.

“A partir da esmagadora evidência encontrada, é possível dizer que houve uma série de operações maliciosas destinadas a alterar a vontade expressa nas pesquisas”, aponta o relatório.

A equipe de auditores denunciou ainda a alteração das atas e o redirecionamento do fluxo dos dados para dois servidores ocultos que não eram controlados pelo pessoal do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), o que permitiu “a manipulação de dados e das atas”.

O relatório também constatou a “parcialidade da autoridade eleitoral”.

Morales, o primeiro presidente indígena da Bolívia que agora é refugiado no México, buscava um quarto mandato, mesmo após perder um referendo, em 2016, sobre a validade de sua candidatura.

Veja também

+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Honda apresenta a Rebel CMX1100 para bater de frente com a Harley-Davidson
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel