Mundo

Região boliviana administra com ‘eficácia’ dióxido de cloro a pacientes com COVID-19

Região boliviana administra com ‘eficácia’ dióxido de cloro a pacientes com COVID-19

Máscaras em tecido tradicional boliviano são vendidas em uma rua de La Paz em 26 de junho de 2020, em meio à pandemia de coronavírus. - AFP

O governo da região boliviana de Chuquisaca (sudeste) informou nesta terça-feira(30) que pacientes com COVID-19 estão consumindo dióxido de cloro com “excelente eficácia”, embora um comitê científico nacional tenha alertado sobre os danos à saúde.

“Muitas pessoas estão sendo atendidas em Sucre (capital de Chuquisaca), outras estão em pleno tratamento e todas com excelente eficácia”, disse o diretor regional de saúde, Enrique Leaño, apesar do aviso oficial para evitar o uso de dióxido de cloro, um poderoso antioxidante.

“No momento, estamos monitorando pacientes que recebem este tratamento”, disse Leaño.

Chuquisaca registra 644 casos do total nacional de 32.125 infectados e 32 de 1.071 mortes. Embora o número seja baixo, há relatos de que seu sistema de saúde estaria prestes a entrar em colapso.

Um comitê científico que assessora o governo alertou na segunda-feira sobre os danos à saúde causados pelo dióxido de cloro, como insuficiência respiratória, doenças do sangue, pressão arterial baixa, insuficiência hepática, anemia, vômitos e diarreia.

Mas Leaño disse que espera que o Ministério da Saúde mude sua posição diante dos resultados obtidos em sua região.

“Temos certeza de que a necessidade da população fará o Ministério mudar de posição, porque não pode mantê-la sem apresentar uma solução para a população”, disse ele.

Leaño anunciou ainda que a partir da próxima semana o serviço regional de saúde começará a distribuir dióxido de cloro e ivermectina (antiparasitário para animais) para tratar pacientes com COVID-19.

A ivermectina também está sendo usada na região amazônica de Beni (nordeste) contra o vírus.

“Vamos ter todos os ‘kits’ (medicamentos)na próxima semana”, afirmou.

Diante da possibilidade de efeitos colaterais, Leaño respondeu que “sempre haverá riscos na tomada de decisões, se não enfrentarmos deixaremos a população sem possibilidades” de cura.

A Universidade Estadual Juan Misael Saracho, da região de Tarija (sul), anunciou que seus laboratórios químicos começarão a produzir dióxido de cloro para uso em hospitais locais.

Veja também

+ Pronampe: pedidos ao Sicoob somam R$ 500 mi em 1 dia, 41% do limite
+ O anel de noivado de diamantes de Nicola Peltz com o filho de Beckham, custou mais de R$2.3 milhões
+ Leilão de carros tem Camaro a partir de R$ 72 mil
+ Yamaha XSR 155, retrô de baixa cilindrada, é apresentada
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior