VARIEDADES

RedeTV! nega demissão de superintendente após cena de nudez explícita

Crédito: Reprodução

Ao contrário do que afirmou Elias Abrão, superintendente da RedeTV!, em seu Twitter, ele não sairá da emissora após transmitir ao vivo imagens de partes íntimas da modelo Ju Isen, que estava pintada de verde, durante o programa Bastidores de Carnaval na sexta, 24. Abrão escreveu no último dia 26 que havia pedido seu desligamento do canal, mas o vice-presidente da emissora, Marcelo de Carvalho, afirmou à reportagem na tarde desta segunda-feira, 6, que o superintendente vai continuar na RedeTV!. “Ele estava em Nova York com a família, não tem nada disso”, declarou Carvalho.

Apesar de relutar em comentar o suposto pedido de demissão de Abrão, Carvalho discorreu sobre a gafe. “Se no evento artístico talvez mais importante do mundo, que é o Oscar, os camaradas conseguiram errar o nome do melhor filme na frente de bilhões de pessoas, o que dirá uma gafe numa transmissão ao vivo de quatro ou cinco dias”, disse. “Em qualquer transmissão ao vivo podem acontecer problemas.”

Sobre as precauções para o próximo carnaval, Carvalho brincou: “Desejo que as moças pintadas não se agachem, lógico. A gente talvez precise botar uma ‘tapadeira’ a meio metro de altura, deixar preparado. Mas absolutamente acho divertidíssima nossa transmissão, ela não é monótona”, afirmou o vice-presidente, que disse ainda ‘odiar’ a transmissão tradicional do carnaval.

Veja também

+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ Fundador da Ricardo Eletro e filha são presos em operação contra sonegação
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior