Brasil

Raul Jungmann rebate Moro e defende iniciativas de segurança do governo Temer

O ex-ministro da Segurança Pública Raul Jugmann fez uma série de tuítes na noite do último sábado, 4, destacando suas ações no governo de Michel Temer. Jugmann foi mencionado por um usuário do Twitter após críticas do ministro da Justiça, Sérgio Moro, à gestão anterior. “Olha aí, @Raul_Jungmann. Não sabia que você estava atendendo pelo nome de Merlin”, provocou o seguidor.

Veja também

+ Estudo de DNA revela novos segredos dos Manuscritos do Mar Morto
+ Aves mudam comportamento durante quarentena na Nova Zelândia
+ SUV cupê? Conheça a verdadeira “origem” do VW Nivus e outros modelos
+ Veja como é a esteira de R$ 44 mil que o governo pretende comprar
+ Assista: dois grandes tubarões rondam surfistas e piloto de drone evacua line up
+ VW Nivus: confira a galeria completa de fotos
+ Cadillac Escalade ESV de Tom Brady está à venda

No sábado, Sérgio Moro afirmou que a redução da criminalidade nos municípios tem relação direta com a atuação do governo federal e que recebe críticas “dos mesmos que compunham ou assessoravam os governos anteriores quando os crimes só cresciam”. “Se quiserem atribuir a queda ao Mago Merlin, não tem problema. Os criminosos, sem diálogos cabulosos, sabem porque os crimes caem”, completou.

Em uma série de tuítes iniciados com a frase “Não fizemos mágica”, Jugmann afirmou que o governo Temer foi pioneiro ao criar uma pasta exclusivamente dedicada à segurança pública. “A violência no País iniciou sua queda em 2018”, defendeu. O ex-ministro destacou a criação do Sistema Único de Segurança (SUSP), que integra ONGs, universidades e os sistemas judiciários e policiais da União, Estados e municípios, entre outras entidades.

Jugmann também ressaltou, entre outros pontos, a criação da Coordenação de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal, que responde pelo monitoramento de chefes do Primeiro Comando da Capital (PCC) na penitenciária de segurança máxima de Brasília. “Trabalhamos duro, ao longo de escassos 11 meses, para dotar o Brasil de um sistema e uma política nacional de segurança pública, universal e direito de todos, o que nunca tivemos, eficiente, transparente, republicano e em defesa da vida”, finalizou o ex-ministro.