Cultura

Racionais desafiam o desgaste do tempo


Os Racionais MC’s, mesmo 33 anos depois de sua criação, seguem sendo a principal referência do rap nacional, algo que desafia a lógica do apagamento natural das velhas expressões conforme as novas ganham espaço. São poucas que resistem à oxidação do tempo no rap. Além de Racionais, Thaíde e DJ Hum estão na mesma posição.

Ainda que desarticulados, e com a atualização de frases em algumas de suas músicas que traziam possíveis leituras misóginas e machistas, são eles o primeiro e ainda único fenômeno no que se chama rap nacional, a vertente que, segundo Gilberto Gil, herdou da MPB dos anos de 1970 o poder da contestação social urbana.

Uma visita do Estadão a uma reserva indígena dos guarani-kaiowá em Dourados, em Mato Grosso do Sul, em 2014, testou a longevidade do discurso dos Racionais. Pela aldeia, garotos de 16 ou 17 anos caminhavam com camisetas que traziam o rosto de Mano Brown e ouviam músicas dos Racionais em celulares como se fossem radinhos de pilha. Ao ser perguntado sobre o motivo de tantos meninos gostarem de rap na região, Kevin, o cantor do grupo Brô MCs, só de raps cantados em guarani, disse: “Eu não sabia que poderia protestar contra as coisas ruins da aldeia até ouvir os Racionais. Mais do que mostrar a eles uma música que parecia ter sido feita sob medida para sua realidade, os rappers de São Paulo os ensinaram a brigar por direitos”.

Os Racionais surgiram no setor que a imprensa chamava gueto, o mercado de música independente que não fazia parte das programações de rádio nem das gravadoras naqueles anos 90. E seguiu assim até que a bolha explodiu com o lançamento de Sobrevivendo no Inferno, em 1997. Foi quando as classes média e alta tiveram de rever os conceitos do que chamavam de “música de ladrão” já que, agora, eram seus filhos que as ouviam. Assim, os Racionais se tornaram livros, estudos sociológicos e tema de redação de prova da Universidade de São Paulo. Se existem caminhos que os novos rappers podem escolher para deitar seus pensamentos, é graças aos anos de surra e mata densa que os Racionais desbravaram.

FEITOS


+ Pastor é processado por orar pela morte de Paulo Gustavo
+ Vídeo: Aluno é flagrado fazendo sexo durante aula da UFSC
+ Ao preço de US$ 1.600 por kg, carne Ozaki é a mais cara do mundo



Origens

Nome do grupo foi inspirado na fase em que Tim Maia era adepto da seita Universo em Desencanto e lançou dois álbuns com o nome Racional 1 e 2.

Voo em 1991

Ficou como feito histórico a abertura que o grupo fez para o Public Enemy, em 1991, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.

Vida Loka

Em 2002, depois de uma longa pausa, o grupo voltou para lançar o álbum Nada Como um Dia Após o Outro Dia, duplo, que trazia Vida Loka I, Vida Loka II, Negro Drama, Jesus Chorou e Estilo Cachorro.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Gabriel Medina torna-se alvo de sites de fofoca
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS

Tópicos

MÚSICA Racionais