Saúde da mulher

Quimioterapia: como lidar com a queda de cabelo durante o tratamento de câncer

Crédito: Pexels

A queda de cabelo é apenas um dos efeitos colaterais da quimioterapia. No entanto, é o mais visível — e, possivelmente, o que mais machuca. “A perda de cabelo em pacientes e sobreviventes de câncer de mama é considerada um dos principais efeitos colaterais que afetam a sensação de bem-estar e a qualidade de vida de uma pessoa”, diz Mario E. Lacouture, diretor do programa de oncodermatologia do Memorial Sloan Kettering Cancer Center em Nova York, nos Estados Unidos.

+ Café pode reduzir o risco de câncer em mulheres, afirma estudo

+ Oncologista aponta medidas para prevenir o câncer

A jornada de cada pessoa é diferente. Por isso, se você deseja oferecer suporte a uma pessoa querida em tratamento, ou é uma paciente de câncer e não tem certeza do que esperar, use esse guia como ponto de partida para aprender mais sobre a queda de cabelo causada pela quimioterapia. As informações são da “Allure”.

Queda de cabelo como um efeito colateral

Na maioria dos pacientes, a queda de cabelo acontece entre as primeiras quatro a oito semanas de quimioterapia. Pode ocorrer, ainda, a queda dos cílios e sobrancelhas — o que geralmente acontece próximo ao fim do tratamento, segundo Mario. 

A dermatologista Bernice Kwong alerta para o fato de que, apesar de ser um efeito comum da quimioterapia, a perda dos fios também pode estar relacionada à deficiência de vitamina D, que pode ocorrer enquanto o organismo se ajusta ao tratamento. 

E o estresse também desempenha seu papel: “Sempre que o corpo [de um paciente] passa por algum tipo de estresse — cirurgia, anestesia, início de um novo medicamento ou até mesmo recebendo seu diagnóstico — cerca de três a seis meses depois, os pacientes podem experimentar uma queda de cabelo chamada eflúvio telógeno”, diz a especialista.

“Gostamos de analisar todas as diferentes razões médicas pelas quais o corpo de alguém pode estar causando queda de cabelo”, conclui Bernice. Portanto, certifique-se de entrar em contato com um médico para ajudar a identificar as possíveis causas subjacentes da perda de cabelo.

Como prevenir a queda de cabelo durante a quimioterapia

“Qualquer coisa que possamos fazer preventivamente é importante porque a perda de cabelo afeta os pacientes diariamente”, diz Bernice. Uma ferramenta a ser considerada é uma touca de resfriamento do couro cabeludo, um dispositivo que pode ajudar a reduzir a perda dos fios.

Um estudo publicado no “Journal of the American Medical Association” descobriu que entre 50% e 63% das pacientes com câncer de mama em estágio inicial submetidas à quimioterapia relataram que os dispositivos de resfriamento do couro cabeludo são um método bem-sucedido de prevenção.

Embora o processo seja simples, ele traz grandes benefícios: enquanto o paciente recebe a quimioterapia, uma touca tipo capacete é usada na cabeça (15 minutos antes e durante, e 30 a 120 minutos após o tratamento). Em seu sistema interno circula um líquido muito frio, destinado a encolher os vasos sanguíneos no couro cabeludo. O frio permite que as células que foram atacadas pela quimioterapia sobrevivam por mais tempo.

“Como qualquer outro tratamento na medicina, não é 100% [bem-sucedido]”, pontua Mario. “Mas mesmo que não proteja completamente durante a quimioterapia, seu uso faz com que a probabilidade de ter perda de cabelo persistente [após o curso do tratamento] seja menor.” 

Perucas para pacientes com câncer

“O cabelo é importante para a sobrevivência. Ele dá confiança”, pontua Mario. “Dito isto, quem sofre de perda de cabelo pode considerar usar uma peruca durante e após o tratamento.”

Como fazer o cabelo crescer após a quimioterapia

O cabelo normalmente começa a crescer dentro de dois a três meses após o tratamento final de quimioterapia, de acordo com Mario, que acrescenta que pode-se esperar cerca de um centímetro de crescimento a cada mês.

É importante notar, entretanto, que o cabelo que volta a crescer pode não ser exatamente o mesmo que você tinha antes. Ele pode ter uma textura mais fina ou cobrir menos o couro cabeludo, devido ao que o especialista chama de “alopecia induzida por quimioterapia persistente“. 

Para algumas pessoas, os tratamentos tópicos podem ajudar a acelerar o crescimento quando aplicados no couro cabeludo uma ou duas vezes ao dia ou tomados por via oral. Se o seu couro cabeludo for sensível, considere produtos livres de agentes irritantes comuns, como álcool e propilenoglicol.