Brasil

‘Quem nega o coronavírus apoia o genocídio’, diz Rodrigo Garcia em live da IstoÉ

Crédito: IstoÉ

O vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia, participou de mais uma live da IstoÉ no final da tarde da terça-feira, 21. Em entrevista ao diretor de redação da revista, Germano Oliveira, ele falou sobre as ações do governo no combate à pandemia da Codiv-19 – São Paulo tem mais de 422 mil infectados e contabiliza cerca de 20 mil mortos.

Garcia, na conversa, celebrou a aplicação hoje, na capital paulista, das primeiras 120 milhões de doses da CoronaVac, suficientes para imunizar 60 milhões de brasileiros (caso a eficácia do medicamento seja comprovada). A vacina é desenvolvida pelo grupo chinês Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan, do governo estadual. “Um dia de esperança para o Brasil e para o mundo”, disse.

“É uma luz no fim do túnel. Nós hoje só temos uma vacina contra o coronavírus que é o distanciamento social, o uso de máscara e todos os cuidados que o brasileiro e o mundo já têm e aprenderam a ter. Esperamos que dê tudo certo com esses testes”, diz.

Para ele, a fase mais aguda da pandemia já passou na capital paulista, mas continua crescendo em um ritmo menos acelerado. “O grande esforço de um governo é fazer com que o sistema de saúde não entre em colapso, em que pessoas, infelizmente, morreram sem atendimento. Mas isso não acontece no Estado de São Paulo porque nós preparamos o sistema de saúde”, avalia.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

Rodrigo Garcia afirma que muitos dos pacientes que hoje estão em tratamento do coronavírus em São Paulo são de outros estados. “São Paulo acaba sendo aí o Hospital do Brasil”, diz.

“A gente administra o sistema de saúde de maneira estadualizada, fazendo rodízio. É mais econômico, é mais inteligente usar o recurso público assim”, calcula. “Vencemos as batalhas contra o coronavírus. Ainda temos muitas batalhas pela frente, a guerra não acabou, mas é importante a gente registrar que o Estado de São Paulo é vencedor, infelizmente com muitas mortes. Diferentemente de muitos Estados brasileiros, conseguiu manter o sistema de saúde em pé e vai continuar assim até o final dessa guerra contra a epidemia.”

Aos 46 anos, advogado e empreendedor, Rodrigo Garcia, foi deputado estadual por três legislaturas consecutivas. Ele foi secretário municipal na gestão Gilberto Kassab (PSD) e secretário estadual de três pastas na gestão Geraldo Alckmin (PSDB). Pelo caráter técnico e pela experiência na gestão pública, Garcia é “uma espécie de gerentão” do governo Dória.

Toda experiência acumulada em gestão garante a Garcia a autoridade para falar sobre a importância da organização e planejamento no combate à pandemia. “O grande desafio desses quatro meses diria que foi ampliar o sistema de saúde. É a primeira vez que a humanidade está passando por isso nos tempos modernos. Portanto, acho que foi essa base de conhecimento que São Paulo se apropriou e fez a gente acertar nas nossas medidas. Esse cenário foi importante para o planejamento do governo”, entende.

Para Garcia, a falta de uma articulação nacional e as falas do presidente são fatos negativos no enfrentamento ao vírus. “A guerra de narrativas [do governo federal] prejudicou muito o Brasil. Parte da população tem pouco acesso às informações e muitas delas deixaram se levar pelas palavras do nosso presidente. Deu muito trabalho, muita contestação e questionamento”, critica.

Sobre o cenário futuro, o vice-governador diz: “No final de uma pandemia sempre terá uma crise econômica. João Dória também adotou um caminho de menor custo social já que a crise econômica é inevitável. Preservar vidas, cuidar das pessoas e depois enfrentar a crise econômica com menos custo social”.

Na live, ele comenta o fato de o governo federal ter à frente do Ministério da Saúde um militar e a polêmica que envolveu o ministro do STF Gilmar Mendes sobre a militarização do governo Bolsonaro. “Na prática, quem nega o coronavírus apoia o genocídio. Essa é a lógica que Gilmar Mendes disse. Ele expressou uma lógica e todas as pessoas que têm um pouco de conhecimento do que estamos vivendo concorda com essa lógica tem como consequência a morte de milhares de brasileiros”, finaliza.

Veja também

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Gésio Amadeu, o Chefe Chico de Chiquititas, morre após contrair Covid-19

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?