Edição nº2598 11/10 Ver edições anteriores

Quem economiza vai mais longe

Sem novas modificações, a Reforma da Previdência aprovada pela Câmara deve gerar uma economia de cerca de R$ 900 bilhões aos cofres públicos nos próximos dez anos. Nas décadas seguintes, esse montante deve crescer. Em 20 anos ou pouco mais, poderá totalizar quase R$ 4 trilhões. Nas décadas adiante, continuaria aumentando. Inicialmente, a remodelação reduzirá o crescimento do déficit previdenciário. Somando União, estados, municípios e INSS, o saldo negativo atingirá cerca de R$ 400 bilhões só em 2019. Sem a reforma, chegaria a R$ 450 bilhões em 2020.

Com um rombo menor, menos recursos do orçamento serão direcionados para cobri-lo. Para bancar o déficit da Previdência, investimentos em educação pública estão em queda desde 2013, enquanto os gastos no Sistema Único de Saúde (SUS) caem desde 2015 e os investimentos em infraestrutura foram, só no ano passado, os menores nas últimas sete décadas.

Ao longo do tempo, a Reforma da Previdência criará condições para reverter este quadro. Além disso, abrirá espaço para que o Brasil faça uma Reforma Tributária que simplifique nosso sistema sem ter que elevar impostos e contribuições, como aconteceria obrigatoriamente caso não reformássemos a Previdência.

Não menos fundamental, a remodelação previdenciária reverterá o crescimento da dívida pública. Sem isso, o Brasil viveria uma crise fiscal e econômica ainda mais grave do que a última. Com tal risco afastado com segurança, empresas poderão tirar das gavetas seus planos de investimentos. Com mais recursos disponíveis, serão gerados mais empregos, renda e crescimento econômico, criando um círculo virtuoso.

Muitos destes investimentos virão de fora, derrubando a cotação do dólar, o que reduzirá o preço de produtos importados, colaborando para derrubar a inflação e criando condições para que os juros caiam, aumentando a oferta de crédito.

Em resumo, além de permitir que mais recursos cheguem para a saúde, educação e infraestrutura, daqui algum tempo o corte de gastos gerado pela reforma fará a economia do Brasil acelerar. A expectativa é que os resultados apareçam a partir do final deste ano ou início do ano que vem. Não por acaso, a Bolsa de Valores não para de bater recordes.

O corte de gastos gerado pela reforma previdenciária fará o Brasil acelerar. A expectativa é que os resultados apareçam a partir do final deste ano

 

Tópicos

Ricardo Amorim

Mais posts

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.