Queiroz pode estar para Bolsonaro como PC Farias para Collor

Crédito: Reprodução

(Crédito: Reprodução)

É impossível dissociar, qualquer que seja o ângulo escolhido, a figura de Fabrício Queiroz de Jair Bolsonaro. Até porque, como já admitido por ambos, trata-se de uma relação de extrema fidelidade, e de décadas.

Apenas um dos fatos conhecidos, um suposto empréstimo, totalmente na confiança, sem documento algum, no fio do bigode, como se dizia antigamente, de 40 mil reais do presidente para o carecone (a razão alegada para o cheque de 24 mil reais do presidiário, depositado na conta da primeira-dama) demonstra a proximidade e intimidade dos “brodinhos”.

Além do mais, foi o Bolso pai que introduziu o parça Queiroz na vida do Bolso filho. E Flávio, ao que tudo indica, não só abrigou o primeiro-amigo, a pedido do papis, como o transformou numa espécie de homem-da-mala da família.

Queiroz é ligado a milicianos e a assassinos de aluguel. Ele próprio admitiu ter atividades informais como compra e venda de carros, imóveis e até de objetos pessoais e eletrodomésticos. Tudo para “comprovar” a origem dos milhões que circularam em sua conta, e que parte acabou sendo usada para bancar as despesas pessoais do hoje senador e sua família.

Queiroz também confessou operar um esquema de rachadinha durante o período em que era assessor parlamentar do bolsokid, na Alerj. Porém afirmou que cometia tal crime sem o conhecimento de Flávio. Vai ver, também, pagava o plano de saúde e a escola das filhas, do então deputado, sem o conhecimento dele.

Mesmo sabedores dos crimes confessados pelo amigo de fé, irmão camarada, Flávio e Jair Bolsonaro não se furtaram em tecer elogios ao nefando, tampouco em sair em defesa do agora hóspede de Bangu 8: “Homem honesto, trabalhador, não é procurado, não estava foragido, se encontrava em Atibaia por ser perto de São Paulo, onde trata de câncer…”, foram algumas das palavras desferidas pela dupla em benefício do Zé Rachid.

PC Farias era o operador das falcatruas de Fernando Collor e foi o estopim que culminou na implosão de seu governo. Morto em Alagoas, anos depois, em uma morte suspeitíssima, o entorno do careca de Collor lembra muito o do careca de Bolsonaro. Aliás, a trajetória do próprio Collor guarda extrema semelhança com a do atual presidente, nos gestos, na agressividade, nas rinhas, no isolamento e, por que não?, no caminho que o levou (e poderá levar Bolsonaro) ao impeachment.

Os dias vindouros também dirão se Queiroz acabará tendo o mesmo destino de PC Farias. Pelo que sabemos até agora, motivos e más companhias é que não faltam.

Veja também

+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.