Edição nº2547 11/10 Ver edições anteriores

Que República?

O presidencialismo no Brasil nasceu com um golpe militar que derrubou a Monarquia e proclamou a República em 15 de novembro de 1889. Diz-se que nesse dia o Brasil dormiu monarquista e acordou republicano. Desde lá, tivemos 34 presidentes e sete constituições republicanas. Assim como voltaria a acontecer em 1964, o golpe contou com o apoio das elites militar, política, econômica e intelectual. Era melhor o País não ter dormido”.

Eis como Bruno Garschagen começa o capítulo sobre o positivismo da República presidencialista brasileira, em seu excelente “Pare de acreditar no governo”. Garschagen, que não esconde suas simpatias monárquicas, argumenta que a monarquia brasileira caiu por razões ideológicas e políticas, e não é um grande entusiasta do resultado republicano. Como culpá-lo? O que há, de fato, para se comemorar nessa trajetória republicana? Na verdade, que República?

República significa “coisa pública”, e era o modelo idealizado pelos “pais fundadores” americanos contra a simples democracia, que poderia se tornar uma “ditadura da maioria”, como alertara Tocqueville. Na República, ninguém está acima das leis, e temos um governo de leis isonômicas, não de homens com poder arbitrário, acima das leis. Uma rápida observada nos ilustres políticos brasileiros e logo ficará claro que temos qualquer coisa, menos uma República.

Tivemos mais um aniversário de nossa “República”, mas sem muito a comemorar. Dias antes, circulava um vídeo pelas redes sociais com José Dirceu sambando, o escárnio total para quem acreditou na Justiça. Seu ex-chefe, Lula, segue solto, apesar de condenado, fazendo campanha em caravanas para voltar ao poder e terminar de destruir de vez nossa economia e nossa democracia capenga, nos transformando logo numa Venezuela.

A impunidade ainda é a regra em nosso país, especialmente no alto escalão em Brasília. A quantidade de privilégios é simplesmente indecente. Enquanto isso, uma ministra, que diz ser negra e de periferia, considera-se escrava por não poder receber acima do teto – pouco mais de R$ 30 mil mensais! É deboche ou a turma da bolha simplesmente perdeu a noção da realidade?

Diante desse quadro, há um número crescente de brasileiros que desejam a volta da monarquia. Não sei se é solução, mas tampouco deve ser algo ridicularizado: diversos dos mais ricos países são monarquias, inclusive a Suécia, adorada pelos “progressistas” como o “socialismo que deu certo” (um mito, mas não vem ao caso aqui).

Em geral, sou cético com qualquer mudança milagrosa. É que o problema está muito enraizado em nossa cultura e nossas instituições. Não é mudando o regime que vamos eliminar esses vícios tão entranhados na alma brasileira. É só mudando o brasileiro mesmo.

Não é mudando o regime que vamos eliminar esses vícios tão
entranhados na alma brasileira. É só mudando o brasileiro mesmo


Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.