Quase 4.000 pessoas são hospitalizadas com objetos estranhos no reto todos os anos nos EUA, de acordo com um novo estudo publicado no mês passado no The American Journal of Emergency Medicine – com muitos dos itens presos como objetos sexuais.

Pesquisadores da Universidade de Rochester, em Nova York, ficaram perplexos com a “pouca informação epidemiológica sobre esta condição”, então decidiram analisar os relatórios de emergência de 2012 a 2021.

+ Mulher expõe caso de importunação sexual com masturbação em voo

O estudo – considerado o primeiro “dado representativo nacionalmente” sobre corpos estranhos retais nos EUA – encontrou 38.948 visitas ao departamento de emergência com base em 885 casos neste período entre pacientes com mais de 15 anos.

Os pesquisadores vasculharam o Sistema Nacional de Vigilância Eletrônica de Lesões em busca de lesões envolvendo a “região púbica” ou “tronco inferior”, com “um diagnóstico concomitante de corpo estranho, punção ou laceração”.

O sistema mantém um registro de lesões relacionadas a produtos de consumo, de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

Desses casos notificados, a idade média do paciente que compareceu ao pronto-socorro foi de 43 anos. Quase 78% dos pacientes eram do sexo masculino e 40% desses pacientes necessitaram de hospitalização. Mais da metade dos corpos estranhos eram objetos sexuais, que poderiam ser itens como vibradores, contas anais ou outros brinquedos.

Bolas e bolinhas de gude, assim como medicamentos, foram associados a uma menor taxa de internação.

Os investigadores também descobriram um aumento nas visitas hospitalares por causa de objetos estranhos retais ao longo do período estudado, passando de 1,2 por 100.000 pessoas em 2012 para 1,9 em 2021.

“Esses dados quantificam uma apresentação clínica frequentemente encontrada que recebeu pouco foco de pesquisa”, escreveram os autores do estudo.

“Esses dados sugerem que existem diferenças específicas de sexo e idade nos resultados que podem ter uma base anatômica ou comportamental.”

Em abril, o Visual Journal of Emergency Surgery relatou que um homem teve que ser levado às pressas para uma cirurgia de emergência depois de ficar com uma lata de desodorante presa na bunda.

E no ano passado, um idoso francês deixou os médicos em estado de choque quando chegou com um projétil de artilharia da Primeira Guerra Mundial alojado no reto.

Isso fez com que o hospital fosse parcialmente evacuado devido a preocupações com o medo de uma bomba.