Tecnologia & Meio ambiente

Quase 1 milhão de chineses tomaram vacinas da Sinopharm

PEQUIM, 21 NOV (ANSA) – Quase um milhão de chineses já receberam duas vacinas experimentais anti-Covid produzidas pelo China National Pharmaceutical Group (Sinopharm), informou a farmacêutica nesta sexta-feira (20). Apesar de não ter os resultados sobre a eficácia ainda publicados, as imunizações receberam autorização do governo chinês para uso emergencial.   

Segundo a autorização de Pequim, as doses podem ser aplicadas em casos considerados urgentes, como em funcionários e estudantes que precisam viajar para o exterior ou trabalhadores de setores essenciais, como médicos e enfermeiros.   

“Nesse contexto, as nossas vacinas foram inoculadas em quase um milhão de pessoas e não recebemos nenhum feedback negativo ou relações adversas graves”, disse o presidente da Sinopharm, Liu Jingzhen.   

O líder do laboratório estatal informou que nenhuma das pessoas que tomaram o imunizante contraíram o coronavírus Sars-CoV-2, mesmo que “elas tenham viajado para mais de 150 países”.   

Até o momento, o único estudo divulgado cientificamente sobre uma das duas vacinas da Sinopharm, que não tem nome específico, foi publicado em 14 de agosto pelo “Journal of the American Medical Association (Jama)” e que constatou que, nas fases iniciais, a imunização conseguiu ativar a resposta imune do organismo em 320 voluntários.   

Atualmente, a China tem quatro vacinas candidatas contra a Covid-19 na fase 3 de testes clínicos – a última etapa – em estudos que estão sendo realizados ao redor do mundo. As duas imunizações da Sinopharm estão também nessa fase e os testes estão sendo realizados, além da China, nos Emirados Árabes Unidos, Argentina, Peru, Egito e Jordânia. (ANSA).   

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel