Quando a PF toca a sua campainha

A experiência não é agradável, mas é atenuada pelo grau de profissionalismo dos agentes federais

Aconteceu comigo. Eram 6h da manhã, da última quinta-feira, quando agentes da Polícia Federal bateram à minha porta. A sensação não é agradável, mas em respeito aos leitores faço este breve relato.

Como muitos sabem, além desta coluna, também mantenho atividade empresarial própria, à frente da Editora 247, que edita o site de notícias Brasil 247. E foi para esclarecer a natureza de um único contrato da Editora que recebi a visita dos agentes federais naquela manhã.

O que posso dizer a quem já passou ou pode vir a passar por esse tipo de experiência é que qualquer sensação de insegurança rapidamente se desfaz diante do profissionalismo dos agentes que atuam nessas operações. É preciso reconhecer o preparo psicológico dos homens e mulheres que participam dessas ações – e se nosso caso vale como regra geral, demonstram respeito pelos cidadãos que visitam e por suas famílias.

Nos meios de comunicação, a tentação inicial, que geralmente ocorre quando “alvos” são profissionais de imprensa, é sempre denunciar perseguições políticas e atentados à liberdade de expressão – o que nunca deve ser descartado. No entanto, embora seja grato aos que se solidarizaram e apontaram cerceamento da atividade jornalística, quero acreditar que não foi isso o que ocorreu no nosso caso específico. Havia questionamentos sobre um contrato, as autoridades exerceram seu legítimo direito de investigá-lo e cabe, a nós, esclarecer todas as dúvidas – o que, diga-se de passagem, já desejávamos fazer há muito tempo.  Além disso, a busca ficou restrita ao foco da investigação, sem caracterizar, ao menos por ora, nenhuma devassa sobre a atividade de imprensa ou nossa relação com fontes, clientes ou fornecedores.

Sempre se deve argumentar que teria sido muito mais adequado prestar depoimentos com data e hora marcada, para que não sejam violadas prerrogativas constitucionais. No entanto, na nova dinâmica das investigações, tudo acontece de uma vez, e de madrugada, diante da presunção, a meu ver nem sempre verdadeira, de que os “alvos” se conhecem e se comunicam entre si. Goste-se ou não, essa é a realidade. Há uma nova ordem no Brasil e todos os empresários, grandes ou pequenos, terão que se adaptar a ela.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.