Mundo

Protestos no Chile afetaram 15 mil pequenas e médias empresas, diz governo

Protestos no Chile afetaram 15 mil pequenas e médias empresas, diz governo

(Novembro) Manifestantes chilenos enfrentam a polícia em Santiago, durante protesto contra o governo - AFP

Cerca de 15 mil pequenas e médias empresas (PMEs) foram afetadas pela série de protestos que ocorrem no Chile, e 75 mil postos de trabalho no setor estarão em risco se o movimento continuar, informou o governo nesta sexta-feira (6).

O ministro da Economia, Lucas Palacios, disse que cerca de 15 mil PMEs “foram afetadas, seja pela redução de vendas ou por danos físicos às instalações”, nos 50 dias de uma a crise que paralisou parcialmente o comércio, especialmente no centro de Santiago.

As PMEs, que correspondem a 98% do total das empresas no país e geram mais de 50% dos empregos, “sofreram diretamente a deterioração de nossa economia gerada pela violência que vimos nas ruas”, disse Palacios para jornalistas.

A revolta social reduziu a atividade econômica em 3,4% em outubro, o pior índice em uma década.

O comércio e o turismo são as áreas mais afetadas, devido a saques, incêndios, ataques e cancelamentos de viagens, colocando em risco “cerca de 75 mil empregos” do setor, disse o ministro.

Nesta semana, o governo anunciou um pacote de medidas para reativar a economia e apoiar o emprego, no qual investirá 5,5 bilhões de dólares.

Veja também

+ Cartucho de videogame do Super Mario Bros. é leiloado por US$ 114 mil e quebra recorde
+ Aplicativo de jogos quer monitorar saúde de idosos em confinamento
+ Aparência de apresentadora da TV britânica choca redes sociais
+ Empresário de 34 anos morre após cair do parapente no Espírito Santo
+ Dicas fáceis de como limpar panela queimada
+ Jovem pede delivery e encontra dedo humano em esfirra
+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior