Mundo

Protestos na Tailândia pedem renúncia do premiê e desafiam monarquia

Protestos na Tailândia pedem renúncia do premiê e desafiam monarquia

Manifestantes pró-democracia em comício contra o governo, em Bangcoc, em 26 de outubro de 2020 - AFP

A oposição pediu, nesta segunda-feira (26), pela primeira vez desde o início dos protestos na Tailândia, a renúncia do primeiro-ministro, enquanto milhares de manifestantes se reuniram em frente à embaixada da Alemanha – um gesto de desafio ao rei que visita esse país com frequência.

Há mais de três meses nas ruas, os manifestantes exigem a saída de Prayut Chan-O-Cha, que está no poder desde o golpe de Estado de 2014 e foi legitimado por polêmicas eleições no ano passado.

Também pedem uma reforma da Constituição, assim como da poderosa e riquíssima monarquia, um tema tabu até muito recentemente.

“Estou a par dessas reivindicações (…), e vários temas estão sendo trabalhados agora”, rebateu Prayut Chan-O-Cha em pronunciamento diante dos parlamentares, sem dar detalhes, ou mesmo um calendário de ações.

No sábado à noite, ele já havia afirmado: “Não vou renunciar”, ignorando, com isso, um ultimato de três dias dado pelos ativistas pró-democracia.

Prasert Jantararuangthong, secretário-geral do Pheu Thai, o maior partido de oposição do país, pediu no Parlamento “ao general Prayut Chan-o-Cha que renuncie ao seu cargo de chefe de Governo. Isso resolverá todos os problemas e permitirá não destruir o país ainda mais”.

Vários apelos por sua renúncia também surgiram de partidos da oposição.

– Desafio sem precedentes para a monarquia

O Parlamento se reúne nestas segunda e terça-feiras para uma sessão extraordinária dedicada à crise gerada pelos protestos.

O governo pediu aos deputados e senadores que estudassem algumas concentrações que considera “ilegais”, porque poderiam representar um atentado contra a monarquia.

Em 14 de outubro, dezenas de manifestantes ergueram três dedos durante a passagem da rainha Suthida e do príncipe herdeiro, um gesto que se tornou símbolo de resistência e um desafio sem precedentes para a monarquia na Tailândia.

Por esse incidente, três militantes estão sendo investigados por “violência contra a rainha”. Se forem considerados culpados, podem ser condenados à prisão perpétua.

No total, 84 pessoas estão sendo investigadas desde 13 de outubro com base em acusações “muito vagas e políticas”, afirma a Anistia Internacional em um comunicado.

Milhares de pessoas se reuniram hoje à tarde na frente da embaixada da Alemanha, em mais uma ação contra o rei Maha Vajiralongkorn, que com frequência reside no país europeu.

Maha Vajiralongkorn não comentou os acontecimentos, mas, em um fato raríssimo, apareceu em público várias vezes nos últimos dias.

O movimento pró-democracia, composto em sua maioria por jovens urbanos, deseja uma reforma em profundidade da monarquia. Pede a abolição do crime de lesa-majestade, o controle sobre a fortuna da monarquia e a não ingerência do rei nos assuntos políticos.

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel