Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

BUENOS AIRES (Reuters) – Sindicatos de caminhões argentinos estenderam um protesto contra aumentos de preços de combustíveis e escassez de diesel nesta sexta-feira, mas o desmantelamento de alguns bloqueios rodoviários fez com que o tráfego de caminhões e as operações nos principais portos de grãos de Rosário voltassem ao normal.

Os protestos, que começaram na quarta-feira, coincidem com o período de pico do ciclo de colheita no país, que é o maior exportador mundial de óleo e farelo de soja processado, o segundo maior de milho e um importante produtor de trigo.

O tráfego em torno dos terminais portuários de grãos foi facilitado após autoridades da província de Santa Fé desmontarem bloqueios rodoviários na quinta-feira, disse a Câmara de Atividades Portuárias e Marítimas à Reuters na sexta-feira.

Os sindicatos de caminhões e transportes têm criticado os altos preços dos combustíveis e a escassez, que estão ligados à oferta global emaranhada e custos crescentes devido à guerra na Ucrânia. Neste mês, o governo elevou o teor de biodiesel exigido nas misturas de diesel, na esperança de aliviar a escassez.

Os agricultores terminaram recentemente a colheita de soja e ainda estão colhendo milho. A maior parte do grão é transportada por caminhão dentro da Argentina, com o porto fluvial de Rosário servindo como ponto de partida para 80% das exportações agrícolas do país.

“O governo continua trabalhando para resolver a situação de abastecimento de diesel em todo o país”, disse o secretário de Energia, Dario Martinez, em comunicado.

(Reportagem de Maximilian Heath e Miguel Lo Bianco)

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI5N124-BASEIMAGE