Comportamento

Protesto contra extradição para China reúne 1 milhão de pessoas

Protesto contra extradição para China reúne 1 milhão de pessoas

Manifestantes se reúnem no Victoria Park - AFP

Mais de um milhão de pessoas foram às ruas neste domingo (9), em Hong Kong, contra o projeto que poderá permitir extradições para a China continental – disseram organizadores do ato.

“Há 1,03 milhão de pessoas na manifestação de hoje”, disse um organizador em meio à multidão, no que seria a maior manifestação já vista desde que a ex-colônia britânica passou para a China.

Não se via um ato desta magnitude pelo menos desde 1989, ainda sob o governo colonial, quando uma multidão de 1,5 milhão de pessoas se reuniu para apoiar os manifestantes da praça de Tiananmen.

Os manifestantes marcharam sob um calor inclemente pelas estreitas ruas da ilha principal deste centro financeiro, em um barulhento e colorido protesto para pedir que o governo recua na decisão.

A polícia, que historicamente divulga estimativas muito mais baixas do que as dos organizadores, calculou que o número máximo foi de 240.000 pessoas. Ainda assim, é o segundo maior protesto desde que a ex-colônia foi transferida.

Em 2003, em outro protesto de peso, cerca de meio milhão de pessoas obrigaram o governo a deixar de lado uma lei de segurança nacional profundamente impopular.

“O governo não pode ignorar estes números”, disse à AFP o manifestante Peter Chan, de 21 anos.

– Críticas de diferentes setores

Este projeto das autoridades de Hong Kong pró-Pequim deixará a população à mercê de um sistema judiciário chinês opaco e politizado, alegam seus críticos.

Não está claro, porém, que as autoridades estejam considerando uma mudança de postura. A líder da cidade, Carrie Lam, construiu sua carreira política sobre uma reputação de levar as legislações à frente.

Ignorar os protestos pode trazer à tona os eventos de 2014, quando manifestantes pró-democracia ocuparam durante dois meses cruzamentos de importantes vias da cidade.

Os organizadores advertiram, neste domingo, que “vão aumentar” suas ações, se o governo não der marcha a ré. Isso pode enfurecer Pequim, já que a lei tem o apoio de vários lideranças do Partido Comunista.

Em um comunicado divulgado neste domingo à noite, o governo local apenas descreveu os protestos como “um exemplo do exercício da liberdade de expressão do povo de Hong Kong”.

Confrontos entre a polícia e manifestantes explodiram nas imediações do Conselho Legislativo de Hong Kong, após o multitudinário ato.

Depois que um grupo anunciou que permaneceria durante toda noite em frente à sede do governo, unidades da polícia tentaram dispersar a multidão com cacetetes e gás de pimenta. Os manifestantres responderam lançando garrafas, acompanhou um repórter da AFP.

A iniciativa que o governo local pretende levar adiante provocou críticas de juristas, dos círculos financeiros e de diplomatas ocidentais.

As autoridades tentam conseguir realizar, no Conselho Legislativo (LegCo, o “Parlamento” local), a votação sobre este texto. A norma autorizaria as extradições para países, com os quais não existe um acordo neste tema – entre eles a China continental.

O Executivo desta região semiautônoma defende que a lei vai preencher uma brecha jurídica e que é necessária, em especial para permitir a extradição para Taiwan de um cidadão de Hong Kong acusado de assassinato. Os críticos insistem em que este caso é apenas uma desculpa para satisfazer Pequim.