Economia

‘Proteínas alternativas’ abrem apetite dos investidores

‘Proteínas alternativas’ abrem apetite dos investidores

Os principais ingredientes destas proteínas alternativas são soja, feijão, grão-de-bico e glúten de trigo, mas outros estão ganhando terreno, como algas ou cogumelos, que parecem promissores - AFP/Arquivos

Carne vegetal, ou “celular”, patê à base de plantas, leite, ou caviar de algas: as “proteínas alternativas” aos produtos de origem animal são cada vez mais procuradas, e os investidores estão cientes disso, segundo especialistas reunidos na feira South by Southwest, no Texas.

“Em 2018, dezenas de empresas foram criadas neste setor em plena expansão”, diz Olivia Fox Cabane, fundadora do empreendimento Kind Earth e líder da Aliança Internacional para as Proteínas Alternativas.

Ela tenta registrar com bastante precisão todos os recém-chegados e diz que é forçada a atualizar seu gráfico a cada duas semanas. Segundo ela, este filão da indústria agroalimentar é mais bem-sucedido do que as redes sociais em seu apogeu.

“Para todas as empresas que buscam financiamento, há dois ou três investidores. Nunca vi nada parecido no Vale do Silício”, acrescentou Fox.

Além da Califórnia, os principais líderes do setor estão na Holanda, onde se inventou essas alternativas para carne e outros produtos de origem animal, assim como em Israel, aponta.

Por que tal avidez econômica por essas novas formas de alimentação? “Os consumidores querem”, respondem em coro os participantes da conferência South by Southwest, um festival fundado em 1987 que está na vanguarda da inovação e de novas tendências, tanto socioculturais quanto tecnológicas.

E as novas tecnologias são, agora, capazes de satisfazer o público em geral, insiste Dan Altschuler Malek, membro do fundo de investimento New Crop Capital.

“A comida vegana apareceu décadas atrás, no final dos anos 1960, e era inicialmente destinada a consumidores ‘éticos’ que estavam dispostos a fazer sacrifícios. Mas foi apenas a partir da década de 1990 que se tornou mais apetitosa”, explica.

“Agora estamos na terceira geração, e o consumidor não precisa mais renunciar ao sabor: as pessoas gostam porque é bom, não só porque é vegetal”, diz.

Também para os investidores, “o gosto é o critério mais importante, o custo só vem em segundo lugar”, garante Dan Altschuler Malek.

– Norma em 5 anos? –

Para evitar ficar de fora, a maioria dos grandes grupos agroalimentares também investe nessas novas proteínas.

Até mesmo a Tyson Foods, segunda maior produtora de carne dos Estados Unidos e maior exportadora mundial de carne bovina americana, entrou no negócio.

De acordo com a Fox, esta empresa é “a principal investidora em empresas que produzem ‘carne celular'”, a “verdadeira” carne produzida em laboratório com base em células musculares e adiposas.

Ainda há alguns avanços a serem feitos, em particular para avançar na produção em grande escala e oferecer substitutos para os produtos de consumo do dia-a-dia.

Altschuler Malek, por exemplo, gostaria de poder oferecer “costeletas de porco” vegetais. Mas já existe um substituto para o atum vermelho feito de tomates que, segundo ele, tem a aparência, textura e sabor do peixe cru usado na culinária japonesa.

Para o restante, é uma questão de tempo. “Em cinco anos, vejo um mundo onde essas proteínas alternativas não serão mais alternativas: elas se tornarão a norma, e vamos encontrá-las em todos os restaurantes, ou lojas”, estima.

Os principais ingredientes destas proteínas alternativas são soja, feijão, grão-de-bico e glúten de trigo, mas outros estão ganhando terreno, como algas ou cogumelos, que parecem promissores.

Os investidores presentes em Austin não acreditam, no entanto, no entusiasmo por insetos que algumas empresas emergentes mostraram.

Além dos problemas de regulação sanitária que poderia representar, mais uma vez destacam o gosto dos clientes.

As proteínas baseadas em insetos “podem ter aceitação em algumas regiões, mas eu não vejo o consumidor médio saltando sobre esse tipo de produto”, diz o CEO da Bid Idea Ventures, Andrew Ive.