Tecnologia & Meio ambiente

Proteína seria chave em casos graves de Covid-19, aponta estudo

Proteína seria chave em casos graves de Covid-19, aponta estudo

Proteína produzida pelo organismo durante inflamação pode ter papel importante nos casos graves de COVID-19 - National Institutes of Health/AFP/Arquivos

A calprotectina, uma proteína produzida pelo corpo durante a inflamação, pode desempenhar um papel importante em casos graves da COVID-19 e atacá-la pode ajudar a combater o agravamento da doença – diz um estudo de pesquisadores franceses.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

De acordo com este trabalho, publicado na quinta-feira (7) na revista Cell, há “uma taxa muito alta, entre 100 e 1.000 superior ao normal, desta proteína, a calprotectina, em pacientes com coronavírus grave.

“Nossos resultados sugerem que a calprotectina pode ser responsável pelo agravamento da COVID-19”, disse o principal autor do estudo, o pesquisador de imunologia Aymeric Silvin, em um comunicado.

Muitos trabalhos no mundo todo procuram entender melhor os mecanismos da “tempestade de citocinas”, uma reação inflamatória descontrolada e excessiva relacionada com as formas graves de coronavírus.

“O forte aumento de calprotectina no sangue pode intervir antes da tempestade de citocinas associada à inflamação em pacientes que desenvolvem uma forma grave”, acrescentou Silvin.

Em tese, seria possível detectar pacientes com risco de desenvolver uma forma grave da doença, testando-se o nível de calprotectina no sangue, conforme o comunicado das organizações francesas por trás dessas pesquisas (Gustave Roussy, AP-HP e Inserm), em colaboração com equipes estrangeiras (Singapura, China e Israel).

Essa pista também pode oferecer “uma abordagem terapêutica inédita”, dado que o bloqueio do receptor da calprotectina poderia ajudar a combater o agravamento da doença.

“Essas estratégias devem ser avaliadas com testes químicos”, diz o comunicado.

O estudo se apoia na análise do sangue de 158 pacientes internados em emergências por suspeita de COVID-19.

Em pacientes mais graves, além da alta taxa de calprotectina, as análises revelaram um funcionamento anormal de certos glóbulos brancos, o que enfraquece a resposta imunológica.

Portanto, analisar esses dois fatores na entrada de um paciente no hospital pode ajudar a identificar o risco de adquirir formas mais severas da doença.

“O diagnóstico precoce de uma forma grave de COVID-19 pode ser feito em um tubo de sangue”, disse no comunicado Michaela Fontenay, chefe do Serviço de Hematologia Biológica do Hospital Cochin de Paris.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea