Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

Uma propriedade avaliada em 20 milhões de dólares na Califórnia será devolvida a uma família negra quase um século depois de sua expropriação, decidiram autoridades americanas em um movimento de compensação pela injustiça racial.

O Conselho de Supervisores do condado de Los Angeles votou na terça-feira a favor de transferir o título de um terreno de 650 m2 em Manhattan Beach aos netos do casal que perdeu a propriedade nos anos 1920.

“Não podemos mudar o passado e nunca poderemos compensar a injustiça sofrida por Willa e Charles Bruce há um século, mas é um começo”, disse a supervisora Janice Hahn, que liderou os esforços de devolução.

A ação permitirá que seus descendentes “comecem a reconstruir o patrimônio que lhes foi negado”, agregou Hahn.

“Para nós, como família, este seria um maravilhoso começo”, disse a meios locais Anthony Bruce, descendente dos Bruce.

Os membros da família, acrescentou Bruce, estão “aliviados” e “agradecidos”.

Willa e Charles Bruce compraram o terreno em 1912 e abriram o resort Bruce’s Beach no litoral do sul da Califórnia. Seu público eram os negros da região que, na época, contavam com poucas opções para diversão.

Com piscinas, salão de festas e um café, o resort atraiu outras famílias negras que adquiriam os terrenos vizinhos.

Logo começaram os ataques racistas contra o resort e seus proprietários. Em 1924, a prefeitura o expropriou alegando que necessitava da área para construir um parque, deixando as famílias negras da comunidade, incluindo os Bruce, sem seus empreendimentos. A construção do parque demorou décadas.

“A experiência de Willa e Charles Bruce é um exemplo das proporções do racismo contra os negros”, disse o Conselho de Supervisores em nota. “A consequência são grandes desigualdades na estabilidade familiar, saúde mental e física, educação, moradia, emprego, desenvolvimento econômico, segurança pública, justiça criminal”.

A família Bruce planeja alugar o terreno para a Prefeitura por 413 mil dólares ao ano, e se desejar, pode vendê-lo por mais de 20 milhões de dólares.