Tecnologia & Meio ambiente

Presidente eleito do Equador considera urgente vacinação contra covid

Presidente eleito do Equador considera urgente vacinação contra covid

Guillermo Lasso discursa no Centro de Convenções de Guayaquil em 07 de fevereiro de 2021 - AFP/Arquivos


O processo de vacinação contra a covid-19 é a questão mais urgente a ser abordada no Equador, que enfrenta uma nova onda da doença, disse o presidente eleito, Guillermo Lasso, nesta segunda-feira (19).

“Conversamos com o presidente (Lenín Moreno) principalmente sobre a questão da vacinação. Acredito que seja, na conjuntura atual, a questão mais importante e urgente para o povo equatoriano”, indicou Lasso após seu primeiro encontro com o presidente cessante.

Lasso, que foi eleito no segundo turno em 11 de abril, e assumirá as rédeas do país em 24 de maio, reuniu-se com Moreno no Palácio de Carondelet, em Quito, para iniciar a transição de governo. O vice-presidente Alfredo Borrero também compareceu.

“O processo de vacinação se tornou o principal programa econômico do futuro governo”, declarou Lasso, um ex-banqueiro de direita, que, durante a campanha, propôs imunizar 9 milhões de equatorianos nos primeiros 100 dias de sua gestão.

O Equador, com 17,5 milhões de habitantes, vacinou 167.933 pessoas com as duas doses necessárias, enquanto outras 377.199 receberam a primeira, segundo dados oficiais referentes ao último sábado.


+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ ‘Raça de víboras’: Andressa Urach critica seguidores que não acreditam em sua fé
+ “Fama e dinheiro vem cheio de desgraça”, desabafa Pedro Scooby



“Precisamos que os equatorianos saiam de suas casas, recuperem a normalidade, vivam com tranquilidade, trabalhem, possam empreender e também possam ir à noite a locais de entretenimento e diversão, e, assim, reativar a economia”, acrescentou Lasso, 65 anos.

Autoridades do Equador alertaram que a nação enfrenta uma situação “muito crítica” devido ao aumento das infecções por covid-19. O país registra 360.563 casos e 17.703 óbitos, entre confirmados e prováveis. Quito é a cidade mais afetada, com mais de 116 mil infectados.

Circulam no país as variantes brasileira, britânica e de Nova York, segundo o Instituto de Microbiologia da Universidade de San Francisco, responsável pelas análises. Entre janeiro de 2020 e março de 2021, houve cerca de 53 mil mortes em geral, de todas as causas, a mais do que no mesmo período anterior, de acordo com o Registro Civil.

Para conter a propagação do vírus, as autoridades impuseram uma restrição à circulação de veículos nas estradas, sob a supervisão do Ministério dos Transportes, durante a noite nos fins de semana, que será estendida até 2 de maio. Além disso, o país mantém o fechamento de suas fronteiras terrestres e marítimas e a suspensão das aulas presenciais.

Veja também

+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS