Mundo

Presidente do Peru nomeia general como chefe de gabinete em meio a crise política

Presidente do Peru nomeia general como chefe de gabinete em meio a crise política

Foto divulgada pela presidência peruana do presidente Martín Vizcarra, durante um anúncio televisionado em 5 de julho de 2020, em Lima - Peruvian Presidency/AFP

O presidente do Peru, Martín Vizcarra, nomeou nesta quinta-feira (6) o general aposentado Walter Martos – antes titular da Defesa – como chefe de gabinete, como forma de evitar um embate inesperado com o Congresso em meio à pandemia.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Martos substitui Pedro Cateriano, que foi forçado a renunciar 20 dias após assumir o cargo junto com todo o gabinete, depois do Congresso lhe negar um voto de confiança na terça-feira.

As ministras da Saúde, Pilar Mazzetti, e da Economia e Finanças, Maria Antonieta Alva, foram validadas para seus cargos pelo presidente.

Vizcarra, que iniciou o último ano de seu mandato, em 28 de julho, empossou os 19 ministros do gabinete durante uma cerimônia no Palácio do Governo, transmitida na televisão pela emissora estatal.

O gabinete liderado por Martos deve imediatamente ampliar a relação com o Congresso, controlado por uma aliança diversa de quatro partidos populistas de centro-direita e esquerda.

Martos, de 62 anos, general de divisão que se reformou em 2013, será o primeiro militar a ocupar a presidência do Conselho de Ministros em uma década. Em 2011, Oscar Valdés, tenente-coronel reformado, fez isso durante o mandato de Ollanta Humala.

O novo gabinete de Martos é o quinto designado por Vizcarra desde que assumiu a Presidência peruana, em março de 2018.

O novo chefe de gabinete sucede Pedro Cateriano, no cargo de 15 de julho a 4 de agosto, até o Congresso lhe negar o voto de confiança para exercer formalmente suas funções.

Martos deve comparecer ao Congresso dentro de 30 dias para apresentar seu plano de governo.

O Congresso exige que Vizcarra priorize os cuidados sanitários e a recuperação da economia, que entrou em colapso durante os quase quatro meses de confinamento por causa da pandemia.

Na quarta-feira, o Peru registrou um recorde de 221 mortes por coronavírus e 7.734 novos casos, o segundo maior número diário desde os 8.805 registrados em 31 de maio, de acordo com boletim atualizado do Ministério da Saúde.

Com 447.624 casos e 20.228 mortes pelo novo coronavírus, o país andino de 33 milhões de habitantes é o terceiro na América Latina em casos e óbitos por COVID-19, atrás do Brasil e do México.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea