Mundo

Presidente do Equador chama Maduro de ‘asno’

Crédito: Arquivo/ AFP

Após a repercussão negativa das declarações, Moreno pediu desculpas por meio das redes sociais (Crédito: Arquivo/ AFP)

O presidente do Equador, Lenín Moreno, chamou nesta segunda-feira de “asno” seu homólogo da Venezuela, Nicolás Maduro, que acusa de envolvimento na tentativa de golpe durante a recente crise social no país andino.

“Não devemos nos surpreender com a alegria (…) do asno que governa a Venezuela, a alegria de (Rafael) Correa. Definitivamente era porque meteram as mãos aqui”, disse Moreno para líderes sindicais, com os quais conversou sobre reformas trabalhistas.

O presidente equatoriano afirma que Maduro e Correa, seu antecessor exilado na Europa, ativaram um plano desestabilizador contra seu governo, que enfrentou uma recente crise social após suspender os subsídios aos combustíveis.

Os dois líderes de esquerda negam seu envolvimento na onda de protestos, que terminou com um acordo entre Moreno e as lideranças indígenas para anular a medida.

Em 12 dias, os protestos deixaram oito mortos, 1.340 feridos e 1.192 detidos, segundo a Defensoria do Povo.

“Não tenho a menor dúvida de que diante da agressividade (das manifestações), da atuação de grupos criminosos, aos quais foi determinado que sufocassem, que assaltassem, que queimassem Quito, houve dinheiro externo”, disse Moreno.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Fotos íntimas de apresentadora italiana são vazadas em aplicativos de mensagens no Brasil
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Nova Kawasaki Z 900 chega ao Brasil mais moderna e com preço promocional de R$ 45.990
+ Após se aposentar da Globo, Sérgio Chapelin aparece com novo visual; veja
+ Nick Cordero morre aos 41 anos, vítima de complicações da Covid-19
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior