Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) – O Banco do Japão vai manter sua política monetária ultrafrouxa uma vez que a economia não tem sido muito afetada pela tendência inflacionária global, disse o presidente do banco central japonês, Haruhiko Kuroda, enfatizando que a experiência de 15 anos do país com deflação está mantendo o crescimento dos salários moderado.

O núcleo da inflação no Japão atingiu 2,1% por dois meses seguidos em maio, mas o aumento se deveu quase inteiramente à alta dos preços da energia, disse Kuroda na gravação de vídeo de um seminário divulgado nesta quarta-feira.

Embora o núcleo da inflação ao consumidor possa permanecer em torno de 2% por cerca de um ano, deve desacelerar para 1% no próximo ano fiscal, que começa em abril de 2023, disse ele.

“Ao contrário de outras economias, a economia japonesa não tem sido muito afetada pela tendência inflacionária global, portanto a política monetária continuará a ser expansionista”, disse ele, de acordo com a gravação divulgada pelo Banco de Compensações Internacionais (BIS).

Na sequência dos 15 anos de deflação do Japão que durou até 2013, as empresas do país tornaram-se “muito cautelosas” no aumento de preços e salários, disse Kuroda no seminário realizado na Basileia no domingo.

“A economia se recuperou e as empresas registraram altos lucros. O mercado de trabalho se tornou bastante apertado. Mas os salários não aumentaram muito e os preços não aumentaram muito”, disse ele.

A alta dos preços globais das commodities e um iene fraco, que inflaciona o custo de importação de matéria-prima, empurraram o núcleo da inflação no Japão ara acima da meta de 2% do Banco do Japão.

Mas Kuroda tem repetidamente enfatizado a necessidade de manter os juros ultrabaixos até que a inflação seja impulsionada mais pela forte demanda, tornando o Banco do Japão uma exceção entre uma onda global de bancos centrais que elevam os juros para combater a inflação crescente.

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI5S0J7-BASEIMAGE