Mundo

Premier de Malta cede a pressão e promete renunciar

VALETA E ROMA, 02 DEZ (ANSA) – O primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, anunciou neste domingo (1º) que renunciará ao cargo depois de 12 de janeiro, quando sua legenda, o Partido Trabalhista, iniciará o processo para escolher um novo líder.   

A decisão é consequência da crise política deflagrada pelas investigações sobre o assassinato da jornalista Daphne Caruana Galizia, morta em um atentado a bomba em 16 de outubro de 2017.   

“É disso que o país precisa neste momento”, declarou Muscat em um discurso em rede nacional de rádio e TV. “Prometi justiça no caso de Daphne Caruana Galizia e mantive minha palavra, temos três pessoas acusadas pelo seu homicídio e o suposto mentor incriminado”, acrescentou.   

Já nesta segunda-feira (2), o primeiro-ministro, que está no poder desde 2013, explicou que seu governo se limitará à “gestão de assuntos correntes”. Malta é palco de protestos contra o governo há quase 10 dias, após a prisão do empresário Yorgen Fenech, suspeito de ser o mandante do atentado.   

Galizia tinha 53 anos e ganhara notoriedade com reportagens sobre o escândalo “Malta Files”, que havia revelado como esse pequeno país insular serve de base para esquemas de evasão fiscal na União Europeia.   

Uma de suas investigações revelou que Fenech é dono da 17 Black, companhia sediada em Dubai e que, em 2013, teria pagado propinas a membros do governo para construir uma central elétrica.   

Os subornos teriam sido destinados a duas empresas offshore no Panamá supostamente atribuídas ao chefe de Gabinete de Muscat, Keith Schembri, e ao ministro do Turismo Konrad Mizzi, que na época chefiava a pasta de Energia. Ambos renunciaram aos cargos na semana passada.   

O empresário chegou a pedir perdão judicial, mas Muscat recusou.   

Até agora, a polícia já prendeu três homens suspeitos de serem os autores materiais do atentado: Vince Muscat (que não é parente do premier) e os irmãos Alfred e George Degiorgio.   

O taxista Melvin Theuma foi intermediário entre os assassinos e o mandante, mas ganhou perdão judicial para colaborar com o inquérito e vive sob escolta. (ANSA)