Mundo

Premiê da Itália é notificado sobre denúncias ligadas a Covid

ROMA, 13 AGO (ANSA) – O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, e seis membros de seu gabinete foram notificados nesta quinta-feira (13) a respeito de denúncias apresentadas em diversas partes do país e relativas à gestão do governo na pandemia do novo coronavírus.   

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

As ações também miram os ministros Roberto Speranza (Saúde), Luigi Di Maio (Relações Exteriores), Roberto Gualtieri (Economia), Luciana Lamorgese (Interior), Alfonso Bonafede (Justiça) e Lorenzo Guerini.   

As denúncias foram apresentadas por pessoas comuns e acusam os membros do governo dos crimes de epidemia, homicídio culposo, abuso de poder, atentado contra a Constituição, atentado contra os direitos políticos do cidadão e delitos culposos contra a saúde pública.   

As denúncias foram recolhidas pelo Ministério Público de Roma, que as enviou para o Tribunal de Ministros, já que Conte e os outros seis acusados têm foro privilegiado. Segundo comunicado do governo, o MP da capital italiana também mandou à corte um relatório no qual qualifica as ações como “infundadas” e pede seu arquivamento.   

De acordo com o Ministério Público, a notificação é apenas uma formalidade. “O premiê e os ministros declaram desde já que estão disponíveis a fornecer aos magistrados todos os elementos úteis a concluir o procedimento, em um espírito de máxima colaboração”, diz a nota do governo.   

As denúncias serão analisadas pelo Tribunal dos Ministros, que, se julgá-las procedentes, pedirá que o Parlamento autorize a abertura de processos contra Conte e os seis membros de sua equipe.   

O governo e o Ministério Público não informaram se as ações têm relação com as dezenas de denúncias apresentadas por familiares de vítimas da pandemia em Bergamo, epicentro da crise sanitária na Itália.   

Em junho passado, Conte chegou a ser ouvido pelo MP bergamasco como “testemunha informada sobre os fatos” em inquéritos que apuram os motivos de não ter sido implantado um lockdown na província ainda em fevereiro, quando surgiram os primeiros casos de coronavírus.   

A Itália contabiliza atualmente 251,7 mil casos e 35,2 mil óbitos na pandemia do Sars-CoV-2. (ANSA).   

Veja também

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ A Fazenda 2020: Peões ficarão 24 horas sem água encanada devido a punição por drink de álcool em gel

+ Aprenda a preparar o Chevette, drinque que virou febre em SP

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea