Mundo

Prefeito de Seul encontrado morto após acusação de assédio sexual

Crédito: AFP/Arquivos

Park Won-Soon em uma foto de 26 de maio de 2014 (Crédito: AFP/Arquivos)

O prefeito de Seul, um ex-advogado de direitos humanos e potencial candidato à presidência da Coreia do Sul, foi encontrado morto nesta sexta-feira (10), em um caso de suicídio um dia depois de ter sido acusado de assédio sexual.

A morte de Park Won-soon, cujo corpo foi encontrado em uma montanha da capital do país, é o final mais dramático para um caso do #MeToo na Coreia do Sul, uma sociedade patriarcal onde este movimento derrubou muitos homens importantes de diferentes setores.

Park apresentou um pedido de desculpas generalizado em um bilhete de suicídio – escrita à mão com tinta e pincel – encontrada em sua residência oficial e divulgada pelas autoridades da cidade.

“Sinto muito por todos. Agradeço a todos que estiveram comigo na minha vida”, escreveu ele, pedindo para ser cremado e que suas cinzas sejam espalhadas nos túmulos de seus pais. “Sinto muito pela minha família, a qual só causei dor”,

“Adeus a todos”, concluiu, sem uma referência às acusações apresentadas contra ele.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

Park é o político sul-coreano mais importante a tomar tal atitude desde o ex-presidente Roh Moo-hyun, que se jogou em um precipício em 2009 depois de ser interrogado por acusações de corrupção.

A filha do prefeito reportou seu desaparecimento na tarde de quinta-feira, segundo a polícia. Ela afirmou que o pai estava desaparecido e que havia deixado uma mensagem que soava como suas “últimas palavras”.

Park, uma figura importante no Partido Democrata, de centro-esquerda, governava há quase uma década a capital da Coreia do Sul, onde moram quase 20% da população do país.

Ele venceu três eleições. Promovia a igualdade de gênero e social e já havia expressado a ambição de suceder o presidente Moon Jae-in em 2022.

A morte aconteceu um dia depois de sua ex-secretária apresentar uma denúncia contra ele à polícia, aparentemente por um caso de assédio sexual.

A Coreia do Sul segue dominada por homens, apesar dos avanços econômicos e tecnológicos, mas nos últimos dois anos o movimento #MeToo apresentou várias denúncias.

De acordo com um documento que supostamente é o depoimento da vítima de Park, que trabalhou como sua secretária pessoal a partir de 2015, ele cometeu “assédio sexual e gestos inapropriados durante as horas de trabalho”, como insistir que ela o abraçasse no dormitório anexo a seu escritório.

Depois do trabalho, afirmou, ele enviava “selfies com roupas íntimas e comentários lascivos” em um aplicativo de mensagens.

“Fiz uma lavagem cerebral em mim mesma, com medo e humilhação tremendos, de que tudo isso era para o bem da cidade de Seul, meu e do prefeito Park”, disse ela, segundo o documento.

A polícia confirmou que uma denúncia foi apresentada, mas se recusou a confirmar os detalhes.

A morte de Park significa que a investigação será automaticamente encerrada.

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?