Agronegócio

Preço do frango inteiro congelado sobe 2% em uma semana na Grande São Paulo

São Paulo, 18 – A carne de frango tem preços firmes no mercado doméstico, com forte demanda e maior competitividade ante as demais proteínas animais. Conforme o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), de 9 a 16 de setembro o frango inteiro congelado se valorizou 2% na Grande São Paulo, negociado na quinta-feira, 16, na média de R$ 5,60 o quilo.

Para o produto resfriado na mesma região, a alta no preço foi de 5,8%, comercializado a R$ 5,76/kg. Em Pará de Minas (MG), o frango inteiro congelado foi negociado a R$ 5,59/kg na quarta-feira, com alta de 3,5% em sete dias, e o resfriado, a R$ 5,66/kg, valorização de 3,7%.

Em relação aos cortes de miúdos comercializados na Grande São Paulo, enquanto a asa teve leve recuo nos preços, os demais produtos acompanhados pelo Cepea se valorizaram no período.

A asa de frango resfriada se desvalorizou 0,5%, negociada, em média, a R$ 11,69/kg na quarta-feira. Já o peito resfriado registrou, no período, a maior alta dentre os principais cortes comercializados, de 11,2%, a R$ 6,26/kg na quarta-feira.

Para o frango vivo, na média das regiões de São Paulo, a elevação no preço foi de 3,9% no período, a R$ 4,06/kg na quarta-feira, maior patamar nominal da série histórica do Cepea, iniciada em 2004.

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar