Tecnologia & Meio ambiente

Porsche anuncia planos para investir em carros elétricos nos EUA

Porsche anuncia planos para investir em carros elétricos nos EUA

A Porsche apresentou seu novo Taycan em Frankfurt, o primeiro carro esportivo 100% elétrico capaz de atingir de 0 a 100 km / h em menos de três segundos - AFP

A Porsche planeja ter mais da metade de seus veículos movidos por eletricidade 2025, informou nesta terça-feira (19) Klaus Zellmer, diretor para América do Norte da montadora alemã, que pretende competir nesse mercado dominado pela Tesla.

“O futuro é elétrico”, disse Zellmer durante sua apresentação no salão do automóvel de Los Angeles. “Até 2025, teremos atingido um ponto de inflexão e a Porsche produzirá mais de 50% do seu volume anual … com bateria ou tecnologia híbrida”.

O motor de combustão não está morto, quando temos carros esportivos como o 911″, disse ele.

A montadora alemã, subsidiária do grupo Volkswagen, apresentou em setembro seu novo Taycan, o primeiro carro esportivo 100% elétrico da marca, capaz de percorrer de 0 a 100 km / h em menos de três segundos.

Este modelo de luxo é apresentado como uma alternativa ao Tesla, que domina o mercado global de carros elétricos, especialmente nos Estados Unidos, que é o segundo maior mercado da Porsche (mais de 57.000 veículos vendidos em 2018).

A partir de 2021, a Porsche quer lançar uma versão 100% elétrica do famoso caminhão Macan, um modelo que competirá diretamente com o modelo Y de seu rival americano.

“Ele vai atrair muitas pessoas de diferentes segmentos”, como fez a Tesla quando entrou no mercado, previu Zellmer.

Na China, o principal mercado da Porsche, onde também enfrenta a concorrência da Tesla, que acaba de abrir uma fábrica no país, Zellmer acredita que o principal obstáculo para o mercado de veículos elétricos são as limitadas possibilidades limitadas de carga.

“Considerando uma megalópole de 20 milhões de pessoas, onde as pessoas moram em arranha-céus, o desafio é recarregar o carro”, disse o executivo. “Nossas estatísticas mostram que 90% do tempo de carregamento é feito em casa ou no trabalho”.