Porque no te quedas?

Porque no te quedas?

O rei emérito espanhol Juan Carlos I cumprimenta público depois de assistir à tradicional Missa da Ressurreição do domingo de Páscoa na Catedral de Palma de Maiorca, em 1º de abril de 2018 - AFP/Arquivos

Se no lugar da República ainda existisse uma monarquia no Brasil, o exemplo do rei espanhol Juan Carlos, podia agora estar sendo seguido por um tal de Lula I, D. Temer II, Rainha D. Dilma III, Sua Majestade Fernando Collor IV ou sua alteza sereníssima D. Jair Bolsonaro V do Brasil.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

Por pior que seja, aqui não tem risco de Rei fugir. Porque um presidente não precisa abdicar, ele cessa. E se ele não presta, em vez de fugir ele é preso. Numa República, por mais bananas que ela tenha, rei em fuga nunca vai ter.

Por causa do vil metal, na longínqua Europa, o Rei emérito dos colonizadores da outra metade da América Latina, Juan Carlos I, decidiu transformar sua vida em roteiro de cinema. Inspirado pela literatura, o rei passado — ele entregou o trono para o filho — virou Pasmado, como no livro do escritor Gonçalo Torrente Ballester.

A Fuga do Rei é uma comédia metafórica. Amante de mulheres e vícios que o estado espanhol não quer pagar, ele desiste do seu povo e se manda. Como no Livro de Ballester, o velho rei espanhol enfrenta o mesmo julgamento público feroz do seu antecessor Felipe IV, mas agora com personagens diferentes.

Os mídias tradicionais e as mídias sociais representam o Frade Villaescusa, que condenou o Rei por conduta imprópria. Os empresários simbolizados pelo Padre Almeida, ilibam o Rei com base no argumento de que a má sorte dos governados depende da capacidade dos seus governantes e não da sua moralidade.

Mas a “fuga” do Rei da Espanha não deixa de ser uma fotografia do cinismo conveniente com que a História se verga aos interesses em cada momento. Muitos dos que hoje gritam em público que o velho Rei deve perder a honra e os privilégios (por causa da sua cupidez e falta de moralidade) foram os mesmos que durante décadas beneficiaram (e enriqueceram) com os negócios que o monarca Bourbon lhes conseguiu nas mil e uma noites das arábias ou em badaladas caçadas em África.

Só que nos dias de hoje Reis e Papas já não morrem sentados no trono. Eles aspiram aos mesmos sonhos dos mortais e querem gozar dos prazeres simples do povo —aposentadoria, infidelidade e até anonimato.

Mas não é assim tão simples. Juan Carlos se mandou para os Emirados Árabes Unidos porque está de saco cheio com as reclamações de um povo que em bom rigor já não é responsabilidade dele. E está no seu direito porque, por mais milhões dólares que rolem em suas contas bancárias, Espanha deve mais a ele do que ele algum dia ele deverá a Espanha. É por isso que ele não fica.

 

 

Veja também

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.