Por que investir em Portugal

Crédito: José Manuel Diogo

(Crédito: José Manuel Diogo)


Portugal está ativamente tentando achar as melhores formas de atrair e aumentar o investimento direto estrangeiro, tem conseguido boas críticas e bons resultados, mas o país luso ainda não está na primeira divisão mundial para os investidores globais.

A boa comunicação que os seus políticos conseguem na mídia internacional ajuda a sublinhar as muitas qualidades e reconhecimento internacional do país, mas Portugal ainda não conseguiu um argumento imbatível para que os grandes investidores internacionais aterrem regularmente nos aeroportos e praças financeiras de Lisboa, como neste momento já está acontecendo no Brasil.

Grandes organizações não governamentais colocam o país europeu no cimo em alguns rankings econômicos, mas o grande capital ainda não escolheu Lisboa como porto de primeira linha.

O Eurostat diz que Portugal é o 6º, entre 24 países, com a maior percentagem de energia gerada por fontes renováveis; o Banco Mundial diz que o país luso é o primeiro, entre 190, na categoria de “Comércio Internacional”; o Global Peace Index determina que Portugal é a terceira nação mais segura do mundo e nos rankings do turismo eles são uma máquina de colecionar troféus.

E mesmo quando a OCEDE coloca Portugal no 2º lugar — entre 67 países — como o mais recetivo para receber investimento estrangeiro, quando chega a hora de fazer as contas à quantidade de dinheiro realmente investido essa “recetividade” não vira logo uma caixa forte, e Portugal já não classifica nos primeiros 25 lugares em nenhuma lista.

De acordo com o índice GFICA — que mede a atratividade global para o Investimento direto estrangeiro, e contabiliza anualmente 70 fatores distintos — destinado a ajudar grandes empresas multinacionais (sobretudo dos países ´do médio oriente onde a liquidez é grande) a decidir onde fazer os seus investimentos, Portugal classifica na 28ª posição, entre 109 países.

Segundo este índice internacional os fatores que mais prejudicam a reputação lusa no momento de decisão de investimento — e que impedem o país de chegar ao top — são: a volatilidade do crescimento económico, o tamanho da dívida pública, o alto preço do crédito e uma considerável carga fiscal comparando com outros países da Europa.

Resolvendo isso, Portugal vai ficar bom demais!

Veja também
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ ‘Transo 15 vezes na semana’, diz Eduardo Costa ao revelar tratamento por vício em sexo
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.