Edição nº2594 13/09 Ver edições anteriores

Por mais restrições

Passados quase quinze dias dos trágicos massacres em Ohio e no Texas, a mídia e a opinião pública americanas continuam cobrando em uma posição mais clara dos políticos na questão do controle das armas de fogo.

Mesmo com o apoio de Trump, a NRA — principal organização a favor da posse irrestrita de armas — vem perdendo força gradativamente. Para piorar (ou melhorar), seu presidente, Wayne LaPierre, perdeu poder ao ficar provado que desviou mais de 300 mil dólares da organização para comprar roupas de grife. E ainda foi pego com a boca na botija bem quando pretendia comprar uma mansão de 6 milhões de dólares, alegando que seria para sua “segurança”.

Na contramão do bom senso, nosso presidente Trumpiniquim continua insistindo em tentar aprovar
uma legislação que permita mais fácil acesso às armas. Luta inglória, coitado. Não obteve êxito após diversos decretos rejeitados pelo Congresso.

Para o presidente, a despeito da infinidade de pesquisas que provam a ineficácia dessa estratégia, mais armas é igual a menos violência. Mas não são apenas estudos que depõem contra as intenções de Bolsonaro. Segundo o Datafolha, 70% da população é contra a ideia de facilitar o porte de armas. É o maior índice nos últimos seis anos. A mesma pesquisa informa que a simples posse de arma é rejeitada por 64% da população.

Mas o presidente insiste, o que vem criando problemas até entre seus aliados, que estão convencidos que o brasileiro médio não quer liberar nada.

– De drogas à armas, a gente gosta mesmo é de um belo controle, muito mais do que liberalizações — afirmou um senador que prefere se manter anônimo.

Fontes do Planalto revelaram que depois de diversas reuniões a portas fechadas com líderes da base aliada, o presidente está convencido que deve mudar de estratégia. Um assessor especial informa que ouviu dele uma emblemática afirmação:
– Esse pessoal [a população brasileira] gosta de proibir tudo. Não são como eu.

Então, muito a contragosto, já que é um democrata, o líder máximo da nação pediu aos seus assessores que preparassem projetos controlando o uso do que hoje está liberado. Correm rumores que alguns já estão a ponto de serem apresentados ao Congresso. Comento sobre aqueles que tive acesso:

Alvará para adolescentes

Nada cria mais problemas para a sociedade do que essa gente livre de preconceitos e amarras morais. A ideia é acabar com essa libertinagem. O porte de adolescentes vai regulamentar o uso desses artefatos perigos. Soube que existe, inclusive, um lobby que quer alterar o projeto para impedir esse mal ainda na barriga das mães. Mas a bancada evangélica é contra.

Licença para Instagram

A sugestão veio da Damares. Usuários não poderão mais postar fotos de biquíni, sunga ou qualquer manifestação de despudor. Mensagens de bom-dia com flor e oração estariam liberadas.

Posse de WhatsApp

O objetivo aqui será coibir as fake news. Todas as mensagens de WhatsApp, antes de enviadas, vão passar pela análise de uma comissão para validação de forma (gramática) e conteúdo (veracidade). Sugeriram que o mesmo fosse feito com o Twiter, mas minha fonte acredita que não deva passar. O filho vereador do presidente é veementemente contra.

Porte de votos
Esse é o mais polêmico dos projetos. Em vez do tradicional título de eleitor, a intenção é criar uma carteira, como a de motorista. O cidadão só poderá votar depois de fazer uma votoescola e passar por exames psicotécnico e prático, demonstrando que possui plenas condições de escolher seus representantes. Mas o projeto nem deve seguir para o Congresso. Esse parece que o presidente já vetou.

Em vez da liberação das armas, o brasileiro gosta mesmo é de uma proibição. Por isso, o governo preparou um pacotão de limitações cidadãs. Pena que o presidente e sua base evangélica não concordem com todas

Tópicos

Mentor Neto

Mais posts

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.