Mundo

Popularidade de Bolsonaro registra queda recorde, segundo Datafolha

Popularidade de Bolsonaro registra queda recorde, segundo Datafolha

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante a cerimôna de entrega do prêmio Marechal Rondon de Comunicação no Palácio do Planalto, em Brasília, em 14 de setembro de 2021 - AFP


O índice de popularidade do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, caiu para seu nível mais baixo em dois anos e nove meses de governo, com apenas 22% de opiniões favoráveis, é o que diz a pesquisa publicada nesta quinta-feira (16) pelo Instituto Datafolha.

De acordo com o levantamento, o primeiro divulgado após as manifestações convocadas por Bolsonaro para o feriado de 7 de setembro, apenas 22% dos entrevistados consideram que a gestão do presidente é “ótima” ou “boa”, em comparação com os 24% que opinavam dessa maneira na pesquisa publicada em julho.

Já o índice dos que consideram seu governo “ruim ou péssimo” subiu para 53%, após registrar 51% em julho e 45% em maio, segundo a pesquisa, que ouviu 3.667 pessoas entre os dias 13 e 15 de setembro, e cuja margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Entre os segmentos da população que mais rejeitam Bolsonaro estão os negros (59%), os jovens de 16 a 24 anos (59%) e os homossexuais/bissexuais (61%). Já os evangélicos (29%) e os empresários (38%) registram a maior aprovação do presidente.

Desde que chegou ao poder em janeiro de 2019, Bolsonaro acumula uma série de retrocessos em seus índices de popularidade, em meio a fortes críticas por sua gestão da pandemia, que soma mais de 588 mil mortes, por uma inflação que não dá trégua e o alto índice de desemprego.

Em paralelo, o Supremo Tribunal Federal (STF) investiga o presidente e seu entorno mais próximo em diversos casos, entre eles a difusão de ataques contra o sistema eleitoral, e o suposto crime de prevaricação relacionado a irregularidades na aquisição de vacinas contra a covid-19.

Além disso, segundo as projeções mais recentes para as eleições presidenciais de 2022, Bolsonaro seria facilmente derrotado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, até o momento, ainda não confirmou oficialmente a sua candidatura.

Ao se sentir cada vez mais pressionado, Bolsonaro convocou grandes mobilizações em seu apoio para o feriado da independência em 7 de setembro, principalmente em Brasília e São Paulo.

O presidente brasileiro esperava que ao menos 2 milhões de pessoas comparecessem à manifestação na avenida Paulista, no centro de São Paulo, mas a Polícia Militar calculou o número de presentes em 125 mil manifestantes.

Com discursos inflamados, Bolsonaro atacou o STF e voltou a criticar o sistema de votação através de urnas eletrônicas. No entanto, e apenas dois dias depois, Bolsonaro recuou e garantiu que seus ataques e ameaças foram resultado do “calor do momento”.

Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio